sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

WEC 34 Miguel Torres vs. Yoshiro Maeda

onfira luta do poderoso Miguel Torres. Grande luta.

Parte 1

Parte 2

UFC 79 Lyoto Vs. Sokoudjou

Grande luta do Dragão Lyoto Machida contra o assassino da África.

Luta fantástica para quem gosta de ver um lutador habilidoso.

Parte 1
Parte 2

Jebs Pulver vs. Leonard Garcia

WEC 39 Preview: Leonard Garcia

WEC 39 Preview: Rob McCullough

Ryan Couture vs. Art Martinez - 15 Fev. 2009

Rogério Camões o treinador de casca-grossas



Responsável pela preparação física de casca-grossas como Anderson Silva, Rafael Feijão, Ronaldo Jacaré e André Galvão, Rogério Camões está tendo muito trabalho na academia X-Gym. Em entrevista à TATAME, o preparador falou sobre os treinos dos atletas para suas próximas lutas, no UFC e Dream. “Agora a gente está no foco do Anderson, com a sua defesa do cinturão, o Jacaré e o André Galvão, nós temos esses três trabalhos aí pra fazer”, afirmou Rogerão, que falou sobre a Black House, a derrota de Minotauro no UFC e muito mais.


Fale um pouco de seus treinamentos e como se chama a equipe?...

Na verdade, isso aqui é uma equipe..Hoje é difícil de dar um nome para essa equipe, as coisas nas vida porque na verdade não sei se você se lembra Marcelo, as coisa na vida, elas passam por varias etapas. Há dois, três anos atrás quando você veio aqui, lembra? Era Babalú, era Rodrigo, era Rogério, o Feijão, o próprio Anderson, o Vitor, aí a gente fez uma matéria e lembra que você perguntou, isso aqui é que equipe? Isso aqui, na verdade, eu abri espaço para os meus amigos, meus amigos estão treinando aqui. E isso na época deu a maior repercussão, porque era gente da BTT, era o Babalú, o Vitor, que não era da BTT, tinha o Anderson, que na época ainda era Chute Boxe, e aquela galera se reunia... Na verdade, eu sempre tive essa filosofia de vida, de interação, acho que as pessoas têm que interagir muito para evoluir, porque se você ficar muito restrito, fechado... Hoje o mundo não está para isso, hoje o mundo é globalizado, então nada mais dentro da realidade do MMA do que haver esse intercâmbio entre os lutadores...

Então criou-se um time, a Black House, que infelizmente não deu certo, e aquilo foi uma experiência para mim, que vi que como time, tinha umas coisas em mente que você começa a limitar, a fechar muito... Aí acabou a Black House e sobrou esse espaço aqui, que ficou sem ninguém, sem treino, aí veio o Distak, e o Anderson continuou fazendo a parte física comigo, o Feijão também... Alguns atletas continuaram fazendo a parte física comigo e outros vieram. Tem o espaço, a princípio a gente cedeu esse espaço para o Anderson Silva e aí o Anderson começou a trazer alguns caras para lhe ajudar e, hoje, se você perguntar que time é esse? Na verdade, o time, o espaço continua sendo X-Gym, X-Strike academia, mas isso aqui é um time de campeão, Jacaré, André Galvão, Anderson Silva, Rafael Feijão, fora as outras pessoas que vem esporadicamente como o Cigano, o Rogério “Minotouro”, que deu alguns treinos, o Thiago Jambo sempre treina, o Maldonado...


E quem você está preparando e focando a preparação, no momento?


Agora a gente está no foco do Anderson, com a sua defesa do cinturão, o Jacaré e o André Galvão, nós temos esses três trabalhos aí pra fazer: o André é o primeiro a lutar, depois vem o Jacaré e por último o Anderson. O Jacaré já está bem adiantado, porque ele já vinha treinando desde o final do ano, já está pronto para lutar, nós estamos mais fazendo uma manutenção sem perder o foco do Jacaré. Agora estamos mais no foco do Anderson Silva, porque essa luta para ele é muito importante.


E de que maneira os atletas André Galvão e Jacaré estão ajudando ele para a luta contra o Thales?


Estão ajudando demais, não há nada melhor do que você ter um Jacaré ou um André Galvão para desenvolver a questão do chão do Anderson, apesar do que o Anderson tem um chão bem eficiente, pois é um faixa-preta de Jiu-Jitsu. Ele é muito bom de chão, só que os caras são especialistas na questão, porque eles são puro Jiu-Jitsu e essa troca é muito legal, os dois puxando muito chão para o Anderson e o Anderson puxando muito luta em pé pra eles, o que vai gerar a evolução de todo mundo. Eles se uniram de uma maneira que hoje os caras estão se sentindo como uma equipe. O Jacaré já estava treinando com a gente há dois meses e o Anderson estava de férias e, quando ele voltou, a primeira pessoa que ele foi treinar foi o Jacaré... Ele pegou uma manopla de chute e começou a ensinar o cara a chutar... Esse tipo de atitude do Anderson mostra quem ele é, ele é um ser humano muito evoluído porque ele não tem vaidade, rixa, é um cara que assimila as coisas muito bem porque ele sabe o quanto é bom ter o Jacaré em, seu treino e vice-versa. Hoje eles são amigos, um ajuda o outro, o Jacaré está sempre mostrando posição para o Anderson, o André ontem mostrou varias posições de Jiu-Jitsu, os caras fazem sparring um com o outro, saem na porrada e no final do treino está todo mundo em casa.


Como é o horário de treino do pessoal?


De manhã fazemos a parte especifica de luta, de tarde a parte mais técnica e a noite é sempre a preparação física e depois fazemos um treino de luva que é uma coisa mais refinada, mais técnica, funciona assim.


E o pessoal do Minotauro Team, você estava fazendo algum trabalho lá?


O Rodrigo treinou comigo durante três anos, mas já tem quase dois que eu não faço a preparação do Rodrigo, mas eu tenho uma relação muito boa com o Rodrigo e com o Rogério, até porque o Anderson e o Rafael Feijão tem uma relação muito boa, os caras são amigos e nós temos um pacto, a gente tem as portas abertas... A gente usa o espaço do Rodrigo, vai lá ajuda no que é possível e aqui os caras vem na hora em que precisarem. Essa interação é muito agradável, o Anderson veste a camisa da Minotauro Team, o que é muito interessante porque mostra que todo mundo evoluiu, deu esse passo no que é acompanhar a realidade do MMA. Lá fora o St Pierre treinou com vários caras que não são do time dele, então essa é a realidade do MMA.


A gente notou uma diferença entre o Rodrigo que você vinha preparando e o Rodrigo que lutou contra o Frank Mir. Você acha que as contusões, o problema do furúnculo e joelho que ele teve afetaram sua atuação?


Certamente, pois é muito difícil você preparar um atleta quando ele tem lesão, pois você faz todo um planejamento e o atleta começa a se lesionar, ou vem lesionado, e você tem que ir adaptando o seu treinamento. Acredito que isso tenha atrapalhado muito na questão do treinamento. Os treinadores do Rodrigo são caras consagrados, estão com ele há anos e eu já trabalhei com todos eles e os caras treinam o Rodrigo bem. Aquele Rodrigo não foi o Rodrigo que a gente está acostumado a ver, sabemos que ele deve ter passado por vários problemas para chegar naquela luta um pouco apático. Acredito que ele não estava se sentindo muito bem na forma que ele estava, talvez uma lesão, quando você via o semblante do Rodrigo ele estava meio preocupado, tenso e ele é um cara totalmente descontraído... Mas acho que a derrota faz parte e a gente tem que saber administrar e tirar proveito disso positivamente pra se realmente houver algum erro, saber onde errou para depois consertar, porque todo mundo já passou por uma derrota, todos os grandes lutadores e isso não desmerece o Rodrigo, ele é um guerreiro e já mostrou isso, porque foi até o final da luta e ele não precisa provar mais nada para ninguém.


Falando como preparador físico, o que te impressionou no Jacaré?


O que mais me impressiona nele é a potência muscular que ele tem, assim como o Rafael Feijão, que explode com gás e faz cinco rounds explodindo nos cinco. Ele é um cara muito dedicado, o Jacaré vem da mesma genética, é esse tipo de fibra que determina a diferença entre um atleta lento para um atleta rápido.


E o Anderson, quais são as maiores qualidades dele?


O Anderson é extremamente habilidoso, sua habilidade é o que faz a diferença. Ele se dedica muito à preparação física, tecnicamente nem se fala, agora o que faz a diferença mesmo é que ele é habilidoso demais, é impressionante. Você ensinou um negócio ele executa cinco minutos depois. Ele assiste a um vídeo, vem e executa a técnica no meio do sparring. Na última luta do Anderson que foi uma luta meio polêmica... Ele é aquilo ali cara, ele cansa de fazer sparring daquele jeito, é dele, é da personalidade dele, ele tira a atenção do cara, aquilo que ele faz durante o dia-dia ele leva pra dentro do octagon e naquela luta foi uma das maneiras que ele luta também, porque ele é habilidoso.


Como anda a parte de preparação do André Galvão?

O André é um garoto que tem um laço muito grande com os treinamentos, então é muito fácil trabalhar com ele. Não estou tendo nenhuma dificuldade, até pela historia dele no Jiu-Jitsu, é um cara que já passou por diversos treinadores, ele é muito bom de levantamento de potência, é um monstro, forte e um cara centrado e disciplinado.


Quem da sua academia você acha que vai bombar? O André está indo pro Dream, o Jacaré tem uma luta marcada e o Anderson pega o Thales...

Posso te falar que hoje o Jacaré é outro lutador, ele está treinando aqui há três meses, até a luta serão cinco e, se você ver o Jacaré fazendo um sparring, você não vaio acreditar, ele só anda pra dentro e é trocação franca. Ele fez sparring com o Cigano, que tem uma mão pesada, e ele foi pra cima estilo Wanderlei, toma lá dá cá, fez sparring com o Maldonado... O que está me impressionando no Jacaré é a mão do cara, o Distak é um monstro mesmo, pois melhorou a mão desse cara e ele passou a gostar de trocar porrada. Ele está adorando e agora com a ajuda do Anderson e do Feijão. Fora o Anderson que é um fenômeno, o Feijão é um dos caras que está com o melhor boxe no Brasil, ele está com um boxe perigoso.

Você acha que está demorando pra chegar a hora do Feijão?


Teve aquela questão daquele evento que melou e o Feijão estava no auge, ele estava pronto.


O UFC mostrou interesse em contratá-lo?

Claro, quem não quer ver aquele garoto lutando no UFC? Ele é um cara disputado aí por vários eventos. O Feijão é um cara que está em negociação e está pronto para lutar, porque ele não parou de treinar. Se marcarem uma luta pra daqui a um mês, ele só tem que baixar o peso, porque ele está com 115kg. Ele é, pra mim, o cara mais forte da atualidade, ele está um monstro. Eu sempre falo pra ele que, até 93kg, vai passar o carro e depois você pode subir para a heavyweight que faria frente com muitos caras peso pesado. Ele tem uma estrutura genética que, se você o visse hoje, iria se assustar, pois ele está gigantesco e com a mesma explosão de 93kg, e a grande vantagem dele é que ele é o homem-treino, ele não faz porra nenhuma além de treinar comer e dormir.

ESpecial: Além da Glória

Entenda como se deu o princípio do MMA.

Gracie jiu jitsu vs Karate

Uma raridade, primórdios do MMA, anos 70. Confira.

Paulo Thiago: "não senti tanta pressão em estrear no Ultimate"



Lutador detona Koscheck e segue invicto com 11 lutas.

O lutador Paulo Thiago (Constrictor Team) estreou com o pé direito no UFC 95, em Londres. Em pleno sábado de carnaval, o faixa-preta despachou Josh Koscheck, nocauteado aos 3min29s do primeiro round.

Com a vitória, Paulo Thiago segue invicto na carreira. Embora as dez vitórias (quatro delas pelo Jungle Fight) lhe dessem uma respeitável credencial para atuar no evento de Dana White, a verdade é que antes da luta contra Koscheck, Paulo Thiago foi considerado pelos apostadores americanos como azarão. Contrariando as expectativas, o brasileiro roubou a cena e detonou o Koscheck.

“Acho que fiz uma grande estréia. Koshcheck é um cara muito duro, mas minha equipe estudou bastante o jogo dele, e eu também. Vimos vários erros nas lutas dele e treinamos em cima. Eu estava bem preparado. Tanto para lutar com ele em pé como no chão. Me sinto realizado. Treinei muito e me dediquei ao máximo. Graças a Deus e a união da minha equipe deu tudo certo”, afirmou Paulo Thiago em entrevista ao GRACIEMAG.com.

“Antes de assinar com o Ultimate fiz quatro lutas pelo Jungle e acho que foi isso que me preparou para fazer uma boa estréia, pois o Jungle é um campeonato grande porte e bem visto pelo mundo. Acho que por isso não senti tanta pressão em estrear no Ultimate, senti até uma tranqüilidade por já estar acostumado”, disse Paulo Thiago.

Empolgado com o bom resultado, o lutador comentou como se sentiu ao lutar o UFC. “O Ultimate é um show, né? A gente é bem tratado pra caramba como profissional. A organização é muito boa e o clima também. Tudo isso favoreceu para minha vitória. Agora estou aguardando, pois ainda não disseram nada sobre minha próxima luta, nem contra quem, mas vou voltar já aos treinos e esperar”, finalizou o lutador.

Entrevista com Thiago Tavares


Um dos grandes representantes brasileiros no peso leve do UFC, Thiago Tavares é conhecido pelas grandes apresentações. Antes da última vitória, em que bateu Manny Gamburyan, no dia 31 de janeiro, o lutador vinha de duas derrotas. Apesar dos resultados negativos, o catarinense recebeu o prêmio de melhor luta da noite nas duas apresentações, mas isso não basta. Thiago conversou com o Portal das Lutas, confira a entrevista:

Portal das Lutas - Apesar das grandes apresentações, o fato de vir de duas derrotas pesou em seu último combate?...

Thiago Tavares - Todo mundo precisa vencer sempre, existe essa pressão. Como vinha de derrotas, acaba que a pressão ainda é maior. Mas isso só me fez fazer uma luta mais responsável.

PDL - Então, de certa forma, afetou seu modo de lutar?

TT - Procurei errar pouco e na verdade me arriscar menos. Poderia até ter decidido algumas vezes e preferi ganhar por decisão. Como estava ganhando, decidi administrar. Essa foi a minha estratégia.

PDL - Você tem um estilo de luta que cativa os fãs e é apontado para, no futuro, disputar o cinturão. As derrotas em seguida foram, de certa forma, um aprendizado?

TT - Estava passando por um período de evolução e adaptação e ainda estou. Se forem ver as minhas 10 primeiras lutas, não troquei nenhum soco em pé. Agora tenho aprendido muito boxe e muay thai e tenho treinado bem. Nessas minhas últimas lutas estava procurando trocar mais e acabei não rendendo tudo. Estou me sentindo cada vez mais à vontade em pé e vocês verão cada vez mais um Thiago agressivo na trocação, levando a luta para o chão também, que é onde sou melhor, mas cada vez trocando melhor, mais responsável em pé e mais seguro.

PDL - Pretende ter revanche contra o Kurt Pellegrino e o Matt Wiman?

TT - Quem está dentro do octagon está suscetível a qualquer coisa, mas acredito que se eu lutar contra os caras que eu perdi mais 10 vezes, ganharei deles. Podem até falar que não estou sendo humilde, mas sinceramente me acho melhor que esses lutadores. A verdade é que não provei isso, tenho que provar. Não provei, mas é questão de tempo. Já pedi revanche para o UFC e acho que será inevitável e acabarei cruzando com eles novamente. Com eu vencendo e eles vencendo, nos cruzaremos e estarei melhor preparado, mais maduro e melhor tecnicamente e fisicamente.

PDL - Quando veremos você em ação novamente?

TT - Ainda estou negociando, mas provavelmente estarei de volta em maio. Estou pronto, já estou treinando forte novamente e sem nenhuma contusão.

PDL - Gostaria de comentar mais alguma coisa?

TT - As pessoas que acompanham o meu trabalho podem ter certeza que vontade de vencer e botar a cara na frente nunca vai faltar. Peço que não deixem de acreditar em mim, no meu trabalho, e dedico a minha última vitória aos que não confiaram em mim. Vou provar que sou digno de torcida.

O Paulão já está de volta

Paulo Filho, o Paulão, já está de volta aos treinamentos para estar em ação nos ringues de MMA. A volta, segundo o lutador comentou, deve ser em abril. Enquanto isso, Paulada aproveita para deixar o Jiu-Jitsu em dia com o Mestre Oswaldo Alves.

Confira um depoimento do lutador e imagens de um rola com o amigo Amaury Bitetti.

Jake Shields: "lgumas lutas que eu gostaria são Frank Shamrock, Frank Trigg e Shinya Aoki"


Jake Shields, atual campeão meio-médio do EliteXC - evento que passou a ser administrado pelo Strikeforce -, enfrentará Joe Riggs dia 11 de abril em San Jose, Califórnia. O extraordinário atleta conversou com o Brasil Combate acerca da nova promoção, lutas que gostaria de fazer e seu desejo de retornar ao Brasil para treinos e diversão.

Brasil Combate: E agora que o EliteXC pertence ao Strikeforce, você lutará por essa organização?...

Jake Shields: O Strikeforce tem uma reputação muito boa e eu conheço o proprietário. Lutarei por eles até terminar o meu contrato. Acho que eles estão aptos a apresentar bons shows com os lutadores que eles tem no Strikeforce e agora no Elite. Minha primeira luta será em abril contra Joe Riggs. Para a minha segunda apresentação eles trarão um grande nome.

Brasil Combate: Foi noticiado que o novo proprietário negociará novos contratos. Qual a sua opinião acerca disso?

Jake Shields: Estou honrando as duas últimas lutas do meu contrato e eles conhecerão a minha melhor escolha.

Brasil Combate: Você é um dos melhores lutadores da categoria e existem algumas lutas empolgantes para fazer. Há algum lutador específico que você queira enfrentar no Strikeforce, caso renegocie seu contrato, ou tem interesse em ir para o UFC somente?

Jake Shields: Bem, no Strikeforce algumas lutas que eu gostaria são Frank Shamrock, Frank Trigg e Shinya Aoki. São essas que me vêm à mente.

Brasil Combate: Jake, há algo que você queira acrescentar?

Jake Shields: Eu realmente aprecio todos os meus fãs pela torcida.

Brasil Combate: Você tem muitos fãs no Brazil. Gostaria de vir aqui para treinar?

Jake Shields: Fui ao Brazil duas vezes para treinar e me divertir. Sempre é bom e definitivamente voltarei.

Brasil Combate: Muito obrigado, Shields. Espaço livre para agradecer os seus patrocinadores e fãs.

Jake Shields: Gostaria de agradecer a alguns dos meus patrocinadores: Bad Boy, TapOut, Eternal, Rockstar e todos os demais que me ajudaram ao logo dos anos. E, novamente, agradeço em especial aos meus fãs e aos fãs do MMA que mantém esse esporte crescendo.
Edu Ramos

Tim Sylvia segue os passos de Andrei Arlovski

Tim Sylvia,ex-campeão peso pesado do Ultimate Fighting Championship, estará de volta ao ringue no Adrenaline III, evento confirmado para o dia 30 de março de 2009.Sylvia enfrentará Ray Mercer em luta inicialmente acertada sob as regras do MMA. Mas o proprietário da organização e empresário do atleta achou mais interessante fazer uma luta de boxe, a primeira de Tim.

Mercer é um experiente lutador de 47 anos com cartel de 36 vitórias, 7 derrotas e um empate como profissional. Em 2002 foi derrotado por Wladimir Klitschko na disputada do cinturão da WBO. Em 2007 foi derrotado pela sensação das ruas, Kimbo Slice.

BSG

Couture X Minotauro no UFC 101


Couture revelou ao site MMAWeekly que aceita lutar com Minotauro no UFC 101, encerrando uma longa sucessão de rumores envolvendo ambos os lutadores. O UFC estaria apenas aguardando a resposta de Minotauro, para que a luta seja confirmada .O evento poderá ocorrer em Portland, no Oregon.

Anteriormente este combate já havia sido oferecido à Couture para acontecer no primeiro semestre de 2009. Devido a sua participação no filme The Expendables de Sylvester Stallone, Couture teve que declinar do convite. Outros boatos davam conta de que Couture lutaria no UFC 99, que acontece na cidade de Colônia, na Alemanha, mas segundo fontes próximas do ex-campeão dos pesados do UFC,ele seria incapaz de completar uma boa preparação em 8 semanas de treinamento.
BSB

UFC Fight Night 18 com Rafael dos Anjos e cia


O UFC revelou as quatro lutas televisionadas bem como o card preliminar do Fight Night 18, evento agendado para o dia 1º de abril no Sommet Center, em Nashville, Tennessee.

O principal combate da noite será protagonizado pelo campeão meio-médio do WEC, Carlos Condit, contra o talentoso Martin Kampmann.

O brasileiro Rafael dos Anjos terá uma pedreira à sua frente. Enfrentará Tyson Griffin em luta do card preliminar. Griffin vem de derrota para Sean Sherk no UFC 90. Confira o card oficial do evento.

Lutas preliminares:

Ryan Jensen vs. Steve Steinbeiss
Brock Larson vs. Jesse Sanders
Rob Kimmons vs. Joe Vedepo
Ricardo Almeida vs. Matt Horwich
Tim McKenzie vs. Aaron Simpson
Nissen Osterneck vs. Jorge Rivera
Rafael dos Anjos vs. Tyson Griffin

Lutas televisionadas:

Junie Browning vs. Cole Miller
Ryan Bader vs. Carmelo Marrero
Efrain Escudero vs. Jeremy Stephens
Carlos Condit vs. Martin Kampmann

BSG

UFC 96: Jackson vs. Jardine In Depth - Promo

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

UFC 81 Mir vs. Lesnar


Grande luta de Frank Mir contra Lesnar. Mir da uma lição no grandalhão que ele nunca mais vai esquecer. Um show de uma dos melhores lutadores de chão do mundo e astro do TUF 7. No UFC 92 ele enfrentou o Minotauro.


EASY-SHARE

José Aldo: “Sou o peso-por-peso número 1 do mundo”


José “Junior” Aldo, fenômeno de 22 anos de idade, lutará pela quarta vez em oito meses contra o veterano Chris Mickle (31-11-2) no World Extreme Cagefighting – WEC, dia 1º de março.

José Aldo (13-1) concorda que é inconveniente fazer tantas lutas em pouco intervalo de tempo mas declarou não ter sofrido lesões sérias em suas últimas três apresentações e que considera quatro ou cinco lutas por ano o número ideal, dependendo das condições físicas pós-lutas.

Aldo ranqueou os melhores lutadores de sua categoria,... 145 libras (66Kg), e não se incluiu por não possuir o cinturão e por não ter enfrentado os adversários do topo de sua lista, apesar de acreditar que pode vencer todos. Sua relação tem o campeão Mike Brown no topo, seguido por Leonard Garcia, Urijah Faber, Wagnney Fabiano e seu parceiro de equipe, Marlon Sandro.

Frank Curreri perguntou se o brasileiro se considera um dos melhores lutadores peso-por-peso do mundo: “Acredito que sou um dos melhores atletas peso-por-peso do mundo. Sou o número um logo acima do Georges Saint Pierre. Me considero assim porque a maneira como vejo é que possuo três pré-requisitos: sou ótimo em pé, com minhas quedas, e no chão com o jiu jitsu.”

Aldo estendeu seu contrato por mais cinco lutas e já assistiu alguns vídeos de seu próximo adversário. Considera o oponente bom em pé e no chão e acha importante saber o máximo de informações sobre os atletas que enfrenta. André Pederneiras, seu mestre, é o responsável pela estratégia utilizada em cada luta.


O atleta da Nova União considera a hipótese de baixar para a divisão até 135 libras para disputar o cinturão em apenas um combate, mas o seu objetivo é vencer o título até 145.

O faixa-preta pretende enfrentar Miguel Torres e revelou que esse confronto deveria ter ocorrido há alguns anos: “A razão por existirem conversas sobre descer de categoria é que Miguel Torres tem sido muito dominante em sua classe de peso. Ele é um excelente lutador e eu adoraria enfrentá-lo, além de existir uma história no passado em que seu mestre, Carlson Gracie – mestre do meu mestre -, lançou um desafio a qualquer bantamweight do Brasil, dizendo que Miguel era o melhor. André Pederneiras aceitou e me ofereceu como oponente mas nunca aconteceu.”

Entrevista com Josuel Distak, treinador de Anderson Silva e de outras feras


Treinador de alguns dos maiores casca-grossas do MMA nacional, Josuel Distak é o homem por trás da preparação de atletas como Anderson Silva, Rafael Feijão, Paulão Filho, Ronaldo Jacaré e André Galvão, e está animado para 2009. Em conversa com a TATAME, o treinador falou sobre a próxima luta de Anderson, contra Thales Leites, o trabalho que está desenvolvendo com Jacaré e Galvão para suas lutas no Dream, a volta de Paulão Filho e sua nova academia, em Niterói, no Rio de Janeiro.

Como esta o Anderson para a luta com o Thales?...

Estamos treinando forte para a luta com o Thales e temos o apoio muito forte dos dois maiores “Jiu-Jiteiros” do Brasil e uns dos maiores do mundo, André Galvão e Ronaldo “Jacaré”, que estão na atividade do Jiu-Jitsu. Vamos lutar com todas as armas contra o Thales.

Como você está fazendo o trabalho pro Jacaré e Galvão?

Estamos fazendo um trabalho muito forte com o Jacaré já visando o cinturão que era dele e que, por uma fatalidade, escapou, mas ele já está treinando forte para buscar esse cinturão. Já estamos treinando desde dezembro e vamos buscar o que é nosso em abril. O André Galvão está treinando forte pra um torneio que vai ter agora do Dream, que ele foi convocado na categoria 77kg. Acabou esse período competitivo no ADCC (seletivas), que estávamos juntos, dando uma força e tonificando o trabalho para dar tudo certinho... Fomos lá ver as finalizações. Ele viu que, quem quiser pegá-lo, ele sai e finaliza. Esse aí é o André Galvão que todo mundo conhece, estamos melhorando a trocação dele com o Daniel, estamos afiando o trabalho dele de MMA. O Brasil e o mundo ainda vão ouvir falar muito do André.

Quem são os caras que você treina, hoje?

Hoje eu estou com André Galvão, Ronaldo Jacaré, Anderson Silva, Rafael Feijão e o Paulão agora está dando uma refinada no Jiu-Jitsu dele com o Oswaldo Alves, e logo a gente está voltando pra guerra.

O que a gente pode esperar do Paulão?

O Paulão está no médico, que está tratando dele e o recuperando, e nós estamos só esperando o médico liberar para ele começar a treinar aqui com os cascas-grossas também. Em 2009 eu acho que ele volta diferente, porque vai ser melhor, vai ter sparring de alto nível, com Anderson Silva, Rafael Feijão, André Galvão... Aqui é o foco, né?

Onde ele está morando?

Ele voltou a morar com os pais em Copacabana, e com certeza vai ser melhor. A gente não tem equipe, aqui é o time dos campeões, e a porta é aberta pra quem quer ser campeão. E pra quem quer ser campeão a porta também é aberta, só basta molhar a santinha.

O que você espera para 2009?

Com certeza, esse ano de 2009 vai ser o ano de mais conquistas de cinturão. Vamos fazer uma defesa de cinturão com o Anderson, vamos atrás do cinturão do Dream com o André Galvão, vamos atrás do cinturão do Jacaré, e, se Deus quiser, acertar todas as coisas aí com o EliteXC, o Feijão é o nosso próximo objetivo pelo cinturão, e tentar pegar o cinturão do Paulo Filho de volta. Não sei qual o evento que vamos lançá-lo, não sei se é no Ocidente ou no Oriente, mas já está tendo a negociação pra ele lutar.

O que você tem trabalhado nos treinos do Jacaré?

O Jacaré é um cara disciplinado, mas a primeira coisa que mudamos nele foi entrar mais no tempo da luta. Acho que todo mundo pode falar, às vezes os críticos comentam, mas na realidade não é o trabalho, é o ser humano. As críticas são até boas que me fortalecem. Estou aí com o Jacaré, com o André, com o Anderson e com o Feijão, e estamos trabalhando. O trabalho é certo, agora vai do lutador manter a reta certa e pagar, que é o mais importante. O Jacaré é um cara que está evoluindo da noite pro dia, evoluiu na parte física com o Rogério Camões, pegando um condicionamento mais rápido, hoje ele está esperto, hoje ele sabe que o carro chefe dele é sua arma principal dele, porque muitos acham que só ser Jiu-Jiteiro resolve, mas tem que aprender as outras armas, as outras técnicas para entrar realmente no MMA. E hoje ele frisa muito isso, tanto com o André Galvão, quanto com o Jacaré, que nunca perdeu o foco da armar principal dele, que é o Jiu-Jitsu. Igual ao Anderson, ele tem uma arma principal que é o Muay Thai, mas não é por isso que ele vai deixar de treinar, tem que continuar mantendo o foco da arma principal e fazendo defesa daqueles caras que vão lutar com ele, que tem mais Jiu-Jitsu. Hoje em dia acho que o Anderson está aí... Nós já tivemos o meu trabalho junto com o Rogério Camões, comecei com o Anderson na luta do Rich Franklin e ele fez quatro lutas, uma luta com o (Patrick) Cote, que está sendo criticada porque o público não entende...

O Anderson Silva fez três lutas no ano, então tem o stress, o desgaste. Fizemos uma luta com o Dan Henderson, que ele finalizou, depois ele lutou com o James Irvin, na categoria até 93kg, que o Camões fez um trabalho pra ele subir de peso e eu manter o treinamento dele, e ele nocauteou e o público parabenizou. Logo em seguida, o UFC deu o Cote para lutar com o Anderson. Então ele veio com o desgaste emocional de treino. Graças a Deus, agora, pela primeira vez, ele está treinando três meses para a luta. Ele sempre treinava um mês e meio antes, na luta do Dan Henderson ele treinou 20 dias, para a do James Irvin ele treinou um mês e meio, para a do Cote ele treinou um mês. Essa luta com o Thales Leite vai ser uma luta boa, vai ser dura, porque todo mundo sabe que lutar com brasileiro é mais difícil do que lutar com americano, então vai ser uma luta muito interessante. Estamos trabalhando todas as estratégias, acredito que o Thales também esteja trabalhando, porque o foco dele é conquistar o cinturão e o nosso é permanecer com ele.

Você ajudou na preparação do Paulão nas duas vezes em que ele enfrentou o Chael Sonnen... Que conselhos você daria ao Demian pra vencê-lo?

O Demian Maia é um moleque novo, está muito bem com o Jiu-Jitsu, o ajudei quando ele foi campeão do Super Challenge... A história do Demian Maia começou aqui comigo. Acho que ele deve finalizar de novo no braço, ele (Sonnen) entrega e o Demian vai deixar ele levar pro chão normal e vai pegar o braço... Vai finalizar o Chael.

E quais as novidades para esse ano?

Quero falar agora da nova academia que nós abrimos lá em Niterói, a World Fight Center, eu e o Tonico Junior. Abrimos justamente para trabalhar com estrelas, os galácticos treinam aqui na X-Strike, e eu digo estrela porque, se você pensa que é uma estrela e um dia vai brilhar, começa lá. Se não tiver estrela, não tem galáctico, é tudo uma constelação. Então a gente está trabalhando para isso, fazendo a base lá. A gente está fazendo um trabalho muito sério com base. Fica ali na Rui Barbosa, em São Francisco, e o horário é das 17h30 às 19h e das 20h30 às 22h. Já estamos com 50 alunos e estamos trabalhando com crianças carentes, que precisam aprender o esporte e sair das drogas. To fazendo esse trabalho social e deixo um recado para Prefeitura e para o Governo, que quem quiser ajudar esse projeto a porta está aberta, é só entrar em contato comigo, pois acho que uma criança que está com fome precisa de ajuda.

Você, que veio do Boxe, conseguiu em pouco tempo ser considerado um dos melhores treinadores de MMA. Como isso aconteceu?

Todos os treinadores de Muay Thai fazem até o trabalho correto, o treinamento real, mas eu já mexo com Vale-Tudo desde 1989, mas, para o mundo, temos um sucesso de três anos, agradeço a todos que acreditam em mim. O primeiro a acreditar no meu trabalho foi o Vitor Belfort, depois o Demian Maia, quando ele foi campeão do Super Challenge, depois o Paulo Filho contra o Ninja, que treinamos na garagem dele, depois foi crescendo mais e mais, pegamos o Anderson, o Feijão, e depois vieram os dois fenômenos Ronaldo Jacaré e André Galvão, e estamos seguindo na estrada. A diferença do meu trabalho é que eu sou um cara mente aberta, sempre procurei aprender, sempre procurei ver muitos vídeos, montar a realidade do vale-tudo pro Jiu-Jitsu e do Jiu-jitsu pro vale-tudo, então eu fiz o prato feito, arroz, feijão e macarrão. Para isso funcionar realmente, eu preciso de profissionais como o Cesário, como o Silvio Behring, como o Daniel e o Camões, que vai dar tudo certo. Pra você, hoje nós não temos time, mas somos uma casa de campeões.

Chute Boxe treina no ringue do Affliction


Chute Boxe treina no ringue do Affliction
Ivan Canello - Equipe PVT
Sob o comando do Mestre Rafael Cordeiro, a Chute Boxe California continua pegando pesado nos treinos. Já há algum tempo, o vice-presidente do Affliction, Tom Atencio, vem tendo aulas particulares de Muay Thai com Cordeiro, inclusive já competiu em nível estadual e venceu seu combate.

Atencio cedeu o ringue oficial... do Affliction para que a Chute Boxe realizasse um treino de vale-tudo e, entre os presentes, estavam os brasileiros Fabricio Werdum, Fernando Bettega, André Baggio e a promessa americana Jamie Yegar, que lutou e venceu recentemente na Florida.

"O Tom é um aluno exemplar e, além de aluno, se tornou um amigo. Ele nos cedeu o ringue e viemos experimentar as cordas por aqui, o treino foi muito duro e tivemos até uns nocautes no treinamento" disse Rafael, "Essa parceria e esse tipo de treino são importantes, os atletas precisam saber treinar e se movimentar em diferentes ambientes. Através de vários estímulos durante o treinamento podemos desenvolver a capacidade plena dos nossos lutadores, e essa conscientização do movimento dentro de um ringue como o do Affliction é uma das fases do treinamento desenvolvido na Chute Boxe”.

A Chute Boxe precisa rapidamente criar novos ídolos, tá demorando.
Ivan Canello

Ranking Sherdog


Heavyweight

1. Fedor Emelianenko (29-1-0, 1 NC)
2. Andrei Arlovski (14-6-0)
3. Josh Barnett (24-5-0)
4. Frank Mir (12-3-0)
5. Antonio Rodrigo Nogueira (31-5-1, 1 NC)
6. Brock Lesnar (3-1-0)
7. Randy Couture (16-9-0)
8. Tim Sylvia (24-5-0)
9. Ben Rothwell (29-6-0)
10. Alistair Overeem (29-11-0, 1 NC)

Other contenders: Junior dos Santos, Aleksander Emelianenko, Mirko Filipovic, Gabriel Gonzaga, Fabricio Werdum.

Light Heavyweight

1. Rashad Evans (13-0-1)...
2. Forrest Griffin (16-5-0)
3. Quinton Jackson (29-7)
4. Lyoto Machida (14-0)
5. Chuck Liddell (21-6)
6. Wanderlei Silva (32-9-1, 1 NC)
7. Keith Jardine (14-4-1)
8. Luis Arthur Cane (9-1)
9. Antonio Rogerio Nogueira (16-3)
10. Thiago Silva (13-1)

Other contenders: Rich Franklin, Jon Jones, Vladimir Matyushenko, Mauricio Rua, Renato Sobral.

Middleweight

1. Anderson Silva (23-4)
2. Yushin Okami (23-4)
3. Gegard Mousasi (24-2-1)
4. Nate Marquardt (28-8-2)
5. Robbie Lawler (16-4, 1 NC)
6. Dan Henderson (24-7)
7. Demian Maia (10-0)
8. Jorge Santiago (21-7)
9. Thales Leites (14-1)
10. Vitor Belfort (18-8)

Other contenders: Yoshihiro Akiyama, Patrick Cote, Dan Miller, Frank Trigg, Chael Sonnen.

Welterweight

1. Georges St. Pierre (18-2)
2. Thiago Alves (16-3)
3. Jon Fitch (18-3, 1 NC)
4. Jake Shields (22-4-1)
5. Karo Parisyan (19-5)
6. Paulo Thiago (11-0)
7. Josh Koscheck (12-4)
8. Carlos Condit (23-4)
9. Matt Hughes (42-7)
10. Nick Thompson (38-10-1)

Other contenders: Marcus Davis, Dan Hardy, Jay Hieron, Matt Serra, Mike Swick.

Lightweight

1. B.J. Penn (13-5-1)
2. Shinya Aoki (19-3, 1 NC)
3. Eddie Alvarez (15-2)
4. Joachim Hansen (19-7-1)
5. Gesias Cavalcante (14-2-1, 1 NC)
6. Sean Sherk (33-3-1)
7. Kenny Florian (11-3)
8. Satoru Kitaoka (24-8-9)
9. Josh Thomson (16-2, 1 NC)
10. Tatsuya Kawajiri (22-5-2)

Other contenders: Gray Maynard, Gilbert Melendez, Jim Miller, Eiji Mitsuoka, Jamie Varner.

Featherweight

1. Mike Thomas Brown (20-4)
2. Urijah Faber (22-2)
3. Leonard Garcia (12-3)
4. Wagnney Fabiano (11-1)
5. Dokonjonosuke Mishima (19-6-2)
6. Hatsu Hioki (17-3-2)
7. Jeff Curran (30-10-1)
8. Jose Aldo (13-1)
9. Masakazu Imanari (15-6-1)
10. Takeshi Inoue (15-3)

Other contenders: Rafael Assuncao, L.C. Davis, Yuji Hoshino, Hideki Kadowaki, Marlon Sandro.

Bantamweight

1. Miguel Torres (35-1)
2. Masakatsu Ueda (8-0-2)
3. Brian Bowles (7-0)
4. Atsushi Yamamoto (12-5-1)
5. Marcos Galvao (6-2-1)
6. Takeya Mizugaki (11-2-2)
7. Manny Tapia (10-1-1)
8. Koetsu Okazaki (5-1-1)
9. Will Ribeiro (10-2)
10. Chase Beebe (11-3)

Other contenders: Joseph Benavidez, Dominic Cruz, Noah Thomas, Eddie Wineland, Rani Yahya.

UFC 5 Dan Severn (Wrestling) vs. Dave Beneteau (Judo)


Grande final do UFC 5. Do início ao fim Dan Severn comandou o show e sagrou-se campeão do UFC.
Parte 1

UFC 5 - Super Luta Ken Shamrock vs. Royce Gracie


Primeira super luta do UFC. Inaugura-se uma nova hera e agora com limite de tempo para as lutas. tendo em vista as mudanças, após esse evento os Gracies decidem sair do evento. Saiba por que assistindo o Especial Royce Gracie I e Especial Royce Gracie II aqui no blog.
Sobre a luta, essa está na lista de uma das mais longas lutas de MMA. Se não huvesse limite de tempo a luta teria outro final?
Luta na integra, sem cortes.

Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4

UFC 5 Todd Medina (Jeet Kune Do) vs. Larry Cureton (Amer. Kickb.)


Dois grandalhões se enfrentam no octagon. Só pancada. Repare o sorriso no final da luta.
Parte 1

UFC 5 Dan Severn (Wrestling) vs. Oleg Taktarov (Sambo)


Fantástica luta do UFC 5.
Dan Severn, "A Besta", enfrenta Oleg Taktarov "O Urso Polar".
Confira a superioridade de Sever e as joelhadas na cara.
Parte 1

UFC 5 Dave Beneteau (Judo) vs. Todd Medina (Jeet Kune Do)


Sem muita técnica mas com muita força. Ótima luta para quem quer lembrar como tudo era no Vale-Tudo.
Parte 1

UFC 5 Dan Severn (Wrestling) vs. Joe Charles (Judo)


"A Besta" mais uma vez em ação em sua caminhada pelo cinturão do UFC 5.
Parte 1

UFC 5 Oleg Taktarov (Sambo) vs. E. Verdecia (Kempo Karate)


Grande luta do "urso polar" Oleg Taktarov
Parte 1

UFC 5 Andy (Tae Kwon Do) vs. Jon Hess (Safta)


Jon Hess, um dos lutadores mais brutais que já passaram pelo UFC. Confira como ele rasga a roupa do adversário na pancada.
Parte 1

UFC 95: dois brasileiros recebem bônus

Os brasileiros deram show no UFC 95, que aconteceu neste sábado (21 de fevereiro), em Londres. Com vitórias de Demian Maia por finalização, e Paulo Thiago e Junior Cigano por nocaute, era grande a possibilidade de algum atleta tupiniquim receber a premiação extra, que dessa vez valia Us$40 mil.

E foi o que aconteceu. A finalização de Demian Maia em Chael Sonnen, um justo triângulo no primeiro round, foi escolhida a melhor da noite. Já o melhor nocaute foi para o estreante Paulo Thiago, que surpreendeu com um belo nocaute sobre o experiente Josh Koscheck.

O melhor combate da noite foi para a luta principal, entre Diego Sanchez e Joe Stevenson, vencida pelo primeiro por decisão unânime.

Bônus UFC 95:

Luta da noite
Diego Sanchez x Joe Stevenson

Nocaute da noite
Paulo Thiago
Paulo Thiago Knockouts Josh Koscheck UFC 95
Finalização da noite
Demian Maia
Demian Maia Triangle Chokes Chael Sonnen UFC 95

Fertitta quer ver Fedor no UFC


Quando os fãs pensam nos manda-chuvas do UFC, o homem que vem à mente geralmente é Dana White, presidente da organização. Porém, White controla apenas de 10% de todo o patrimônio do Ultimate. Dono das fatias maiores, os irmãos Lorenzo e Frank Fertitta foram os responsáveis pela injeção de dólares que fez renascer o evento. Bastante reservado, o bilionário Lorenzo concedeu uma entrevista exclusiva para a jornalista Paula Sack, do Premiere Combate.

Perguntando o que todos os fãs de MMA querem saber, Lorenzo revelou que também não sabe a razão exata pela qual Fedor Emelianenko, apontado por muitos como o melhor lutador peso por peso do mundo, nunca lutou na organização americana. “Essa é uma boa pergunta. Eu também não entendo. Ele é um grande lutador, eu amaria vê-lo no UFC. Nós já fizemos várias ofertas envolvendo muito dinheiro, mais do que ele vem ganhando nos outros eventos, então não faz sentido pra mim”, afirmou Fertitta, que revelou planos para trazer o UFC ao Brasil.
TATAME

Entrevista com Ronaldo Jacaré


Um dos maiores nomes do Jiu-Jitsu mundial, Ronaldo “Jacaré” está batalhando, agora, para escrever seu nome na história do MMA. Caino na grande final do GP até 84kg do Dream, o lutador não vê a hora de voltar aos ringues nipônicos. Em entrevista à TATAME, Jacaré falou sobre a volta aos treinos no Brasil, suas apostas para a luta de Anderson Silva contra Thales Leites, a adaptação do seu jogo para o MMA e se pretende disputar o Mundial e ADCC este ano. Confira abaixo a entrevista exclusiva com o lutador.

Porque você decidiu voltar a treinar no Brasil?...

Aqui estou mais próximo da família. Estados Unidos tem a cultura diferente, o estilo dos caras não é um estilo muito parecido com o meu. O lugar que eu me senti bem mesmo morando e treinando nos EUA foi em San Diego, que encontrei a brasileirada, o Saulo, o Xande, e treinei bem.

E os treinos na Xtreme Couture?

É que lá eu ficava meio ilhada, treinava e depois do treino não tinha mais nada. Era de casa pro treino, e do treino para casa. Não me adaptei muito ao estilo de vida dos caras lá, mas o treinamento era de alto nível.

Como você chegou aqui na X-Gym?

Vim através do Galvão, sou muito amigo dele. Ele é um parceirão que eu tenho, sempre trocamos informações, falamos o que podemos fazer para melhorar. A gente é tem uma amizade a tanto tempo que, para o André treinar com o Tererê fui eu que fiz a ponte, e aí que realmente ele começou a ganhar mais títulos do que ele já ganhava. Aí ele falou que eu ia gostar de treinar aqui com o Distak e o Camões. Cheguei aqui e perguntei se poderia treinar, joguei logo a real falando que não sei se ficaria muito tempo, mas gostei daqui e estou me sentindo bem, já estou aqui há dois meses, fui bem recebido. Todo mundo aqui se ajuda, ta muito maneiro, muito show.

Quando você volta ao Dream?

A minha previsão pra voltar é em abril, ainda não tenho adversário definido. Creio que não seja uma disputa de cinturão ainda. Estou feliz no Japão, agora é só eles me darem a oportunidade, me apresentarem as lutas que eu vou lá e faço meu trabalho. É só isso que eu quero, lutar e lutar.

Qual a sua expectativa para a luta do Anderson contra o Thales?

Espero que o Anderson faça o trabalho dele como sempre fez, espero poder ajudá-lo para que ele chegue 1000% na luta, e que ele traga mais essa vitória para a gente.

Você pensa em disputar o Mundial de Jiu-Jitsu ou o ADCC?

Meu plano é ficar direto no Rio. Não estou mais interessado em fazer cinco lutas em um dia só, ficar esperando o dia todo para lutar. No Submission lutei pouco, mas já luto desde 1999, já estou com 29 anos, ano que vem quero casar e ter filhos, então eu acho que a melhor maneira de eu ser feliz, lutando, ganhando meu salário bem e sustentando a minha família é fazendo o que eu faço. O cara pode perguntar pra qualquer um aí que me ver treinar, eu amo treinar e lutar MMA. É uma coisa que me adaptei e que está em primeiro plano agora para mim, tanto no coração quanto no profissional.

Como está sendo a adaptação do seu jogo de Jiu-Jitsu para o MMA?

Lutar em pé é bom porque você sabe a hora de entrar, você não entra na hora errada, espera a hora certa de entrar. A parte em pé é tanto a parte de você se proteger quanto atacar, quanto saber o horário de entrar e não fazer força a toa. Essa que é a parte maneira de você saber trocar. Então eu estou treinando trocação como se fosse para trocar, para virar um trocador, mas eu não esqueço que sou um lutador de chão, de Jiu-Jitsu, vivi a minha vida toda fazendo isso, mas o nome já diz “mistura das artes”, por isso que estou treinando, me empenhando em trocar, me empenhando nas quedas e me empenhando no Jiu-Jitsu.

Demian e a vitória sobre Chael Sonnen



Invicto e com cinco finalizações nas apresentações pelo UFC, Demian Maia já é um dos grandes nomes na maior organização do MMA atual. Tais resultados apontam o faixa-preta de Jiu-Jitsu para uma disputa de cinturão. Confira a entrevista com Demian, em que fala sobre a última vitória contra Chael Sonnen, a carreira e o combate que decidirá o futuro de sua categoria, entre Anderson Silva e Thales Leites.

Portal das Lutas - Já são cinco finalizações no UFC. O que acha de sua atuação no octógono?...

Demian Maia - Estou satisfeito, porque era o que eu queria ganhar todas as lutas por finalização e é o que está acontecendo. Então estou bem satisfeito, estou treinando muito desde a minha primeira luta e isso está se refletindo nas apresentações. Está tudo dando certo.

PDL - Por tudo o que envolveu as lutas entre Chael Sonnen e Paulo Filho, acredito que todos os fãs brasileiros queriam muito ver um brazuca derrotar o Sonnen. Essa vitória teve para você um gosto especial?

DM - Não. Ele foi muito respeitoso comigo. Foi uma luta como qualquer outra, só que contra um wrestler duríssimo. Era uma luta muito dura para mim, contra um cara que já foi para as Olimpíadas, então para o meu estilo de jogo, que é botar para baixo para fazer o Jiu-Jitsu, com certeza era difícil, mas consegui fazer tudo certo.

PDL - Como você disse, ele é um grande wrestler. Mas você conseguiu aplicar uma bela queda de sacrifício nele. Comente essa parte da luta.

DM - Na verdade senti que era a hora de fazer aquilo. Acho que surpreendi ele mais quando parti para a trocação do que pela queda. Quando fui para a trocação, acho que ele se surpreendeu e acabou se desconcentrando e consegui derrubá-lo. É uma queda que gosto de fazer porque é um golpe que, se eu perder, o adversário acaba caindo na minha guarda, o que para mim está ótimo, não vejo problema. Então é uma queda boa para o meu estilo de luta.

PDL - Já são cinco vitórias pelo UFC. A próxima luta será contra quem vencer o combate entre Anderson Silva e Thales Leites?

DM - Espero que sim, que lute contra o vencedor deles. Esse é o meu desejo. Se for possível, é o que eu gostaria.

PDL - O que espera dessa luta entre o Anderson e o Thales?

DM - A lua deles é muito difícil de prever, muito equilibrada. O Thales é um cara que pode complicar o Anderson sim. Ele tem um jogo justo no chão, é um cara bom e com certeza pode complicar. Ele tem chance de ser campeão.

Nate Marquardt diz que Demian pode ser o próximo


Nate Marquardt é um conhecido adversário de lutadores brasileiros. No UFC 95, que aconteceu no último sábado (21 de fevereiro), Marquardt derrotou o brazuca Wilson Gouveia. Anteriormente, o lutador fora derrotado por ouros tupiniquins na organização, Anderson Silva e Thales Leites.

Para reencontrar o caminho das vitórias, Marquardt conta que tirou como exemplo o combate contra Anderson Silva. Depois do revés, passou a trabalhar melhor o condicionamento físico e intensificou os treinamentos de Jiu-Jitsu e karate. Agora, depois da vitória sobre Gouveia, o norte-americano espera que surja novamente um brazuca pelo caminho.

"Acredito que as minhas últimas três ou quatro lutas mostraram que mereço uma chance pelo título. Mas se eu precisar enfrentar Demian Maia primeiro, seria ótimo", comentou ao site MMAWeekly.

Clube da Luta 2 coloca RS no circuito do vale tudo


A segunda edição do Clube da Luta foi realizada nas areias da praia de Imbé, no litoral do Rio Grande do Sul, e colocou o Estado na rota dos grandes eventos nacionais. Com entrada gratuita, e apenas sugestão de que o público trouxesse alimentos não-perecíveis para doação, o Clube da Luta 2 reuniu quase 20 mil pessoas, segundo a polícia local. Além disso, a organização do evento anunciou que arrecadou 1,5 toneladas de alimentos para doar a entidades da região. E, quando os combates começaram, ninguém teve do que reclamar.

Protagonista da última luta da noite,... Daniel Xuxa (Pro Fight) dominou todo o confronto contra Ricardo Silva (World Strong). No primeiro round, Xuxa derrubou seu adversário e o dominou no chão, não dando espaços para uma reação. O segundo round foi mais equilibrado, com Silva se defendendo bem e levando perigo na troca de golpes. O acordo entre os lutadores foi de que este combate contasse com apenas dois rounds, e Xuxa faturou a vitória na decisão dos jurados.

William Standorff (Neo Dojo) não se intimidou com a torcida contra e não deu chances a Vitor Viana (Thai Fight Team). Standorff foi logo buscando uma queda, chegando em seguida a montada e castigando seu adversário com muitos socos, então atacou o braço e finalizou com um armlock.

Pedro da Rosa (Garra Team) e Jonas Bueno (Arte & Luta) fizeram um excelente combate, onde Pedro levava vantagem ao conseguir controlar seu oponente no chão. Sem ter espaços para impor seu jogo de trocação, Bueno até chegou a ter o controle em alguns momentos da disputa, mas acabou sendo derrotado na decisão dos jurados.

Helder Lara (Eq. Elder Lara) teve uma excelente apresentação diante de Alceu Nosferatu (Eq. Hugo Krug), não dando chances de reação ao seu adversário. Helder encurtou a distância e levou o combate para o solo, onde passou a guarda e montou, castigando Nosferatu com uma série de socos, obrigando-o a desistir da luta.

Felipe Grilo (Garra Team) abriu a noite impondo seu jogo a Dener Gigante, ao encaixar um knockdown logo no início do combate, abalando seu oponente. Grilo definiu a disputa com uma série de socos na guarda, obrigando o juiz a interromper e declarar o nocaute técnico.

Em combate de Muay Thai, Mauro Chaolet (Seiwakai) venceu Adriano Cesar (Physycus Team) por TKO no primeiro minuto do combate. Já nas regras do K-1, Adriano Nascimento (Toshinkai) fez uma excelente luta contra Junior Alves (Eq. San) e conquistou a vitória na decisão dos jurados.

Esta segunda edição do Clube da Luta será transmitido neste sábado, a partir das 22h30, no Fight Zone, programa comandado por Sérgio Batarelli na BandSports.

Segundo a organização do evento, a próxima edição do Clube da Luta está confirmada para o dia 21 de março, em São Leopoldo (RS).
Gleidson Venga - de Imbé (RS)

Penn vs. Florian só no segundo semestre de 2009


Kenny Florian deverá enfrentar o campeão dos leves do UFC BJ Penn, em luta válida pelo título. Porém, no que depender de Penn o combate deverá ficar mesmo para o segundo semestre. Penn gostaria de ter mais tempo para gastar com seu filho recém-nascido, de se recuperar plenamente da recente derrota para Georges St. Pierre aém de se preparar devidamente para enfrentar o desafiante nº 1, Kenny Florian.Se a luta entre os dois não acontecer até agosto, Florian completará nove meses sem lutar.
BSB

Novo contratado do UFC vem para abalar a categoria


A categoria meio-pesado, atualmente dominada pelo campeão Anderson Silva, terá um reforço de peso para aumentar, ainda mais, a competitividade entre os atletas até 84Kg.

O talentoso Yoshihiro Akiyama assinou contrato com o Ultimate e estreará no próximo verão americano. O presidente Dana White comentou sua nova aquisição:

Estou empolgado por trazer Akiyama para o UFC e posso vê-lo fazer um impacto imediato na divisão dos meio-médios. Além do seu excelente Judô e submission, ele é um finalizador e os fãs do UFC amarão assisti-lo porque ele sempre se mostra disposto para a luta.”

Akiyama é um faixa-preta habilidoso que detém cartel como atleta profissional no mixed martial arts de doze vitórias e apenas uma derrota. Uma conferência de imprensa será convocada em breve para maiores informações, inclusive do oponente do japonês que se juntará à classe de peso de Thales Leites, Demian Maia e Rousimar Palhares.

Akiyama migrou do Judô para o MMA e se tornou campeão meio-pesado do K-1 HERO’S em 2006, quando derrotou o então detentor do cinturão, Melvin Manhoef. Sua única derrota ocorreu 2005 contra Jerome LeBanner, que o nocauteou com joelhadas.

BSB

Sergei Kharitonov esnoba o UFC


Sergei Kharitonov (16-3) fez sua última apresentação em setembro de 2008 com vitória sobre Jimmy Ambriz no DREAM 6. O lutador fez algumas declarações interessantes ao site DreamFighters.com:

Sergei confirmou que lutará no DREAM 7 mas não sabe ainda quem será o seu adversário.

“Lutarei dia 5 abril mas não há oponente definido pela organização do evento.

Sobre oportunidades em outros eventos, o experiente atleta comentou:

“Vou lutar pelo DREAM mas se outra organização oferecer boas condições, seja o Affliction ou o Strikeforce, vou estar lá. Já o UFC gosta de exclusividade e esta não é possível para mim!”

Sobre a declaração de Mirko Cro Cop, que gostaria enfrentá-lo, Kharitonov foi direto:

“Estou pronto para lutar contra o Cro Cop!”

BSB

Rampage: “Lyoto é chato”


Quinton Jackson, ex-campeão da categoria meio-pesado, comentou o estilo de luta do brasileiro Lyoto Machida ao site MMAFunHouse.com:

Lyoto é um lutador estranho. Ele é um tanto chato. Acho que aquele estilo funciona para ele, a forma como ele faz as pessoas correrem atrás dele. Quero dizer que ele é bom, está invicto, mas é chato. Se eu fosse o promotor de um show não teria caras como ele no meu evento.”

A notícia é assinada por Michael David Smith, que define o estilo do karateca como ‘único’ e aposta que o confronto de estilos de ambos – um possui a pegada mais pesada do MMA e o outro é o mais difícil de ser acertado - certamente proporcionaria uma luta nem um pouco chata.

Talvez Rampage não tenha assistido o confronto de Machida contra Thiago Silva no UFC 94, quando o ‘chato’ recebeu o bônus por ter aplicado o melhor nocaute da noite com uma atuação irrepreensível e dominante.

BSB

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

UFC 95 Diego Sanchez vs. Joe Stevenson


A grande luta da noite! Foi um belo combate entre o vencedor do TUF 1 contra o vencedor do TUF 2 (The Ultimate Fighter: um reality show produzido pelo UFC) porém, acho que o resultado merece uma melhor avaliação.
Parte 1
Parte 2

UFC 95 Paul Kelly vs. Troy Mandaloniz


Paul e Troy travaram uma grande batalha no octagon. Confira!
Parte 1

Parte 2

UFC 95 Neil Grove vs. Mike Ciesnolevicz

Mais uma ótima luta do UFC 95. Imperdível.
Mike Ciesnolevicz Heel Hooks Neil Grove UFC 95

Parte 1

UFC 95 Per Eklund vs. Evan Dunham

Mais uma grande luta do UFC 95. Confira!
Evan Dunham Drops and Finishes Per Eklund UFC 95

Parte 1

UFC 95 Dan Hardy vs. Rory Markham

Confira mais uma alta performance no UFC 95. Vale a pena conferir o maravilhoso nocaute.
Dan Hardy Drops and Finishes Rory Markham UFC 95

Parte 1

UFC 95 Terry Etim vs. Brian Cobb

Massacre! Ótima luta. Confira.
Terry Etim Low Kicks and Head Kicks Brian Cobb UFC 95
Parte 1

UFC 95 Demian Maia vs. Chael Sonnen

Grande luta. A arte suave falou mais alto. Após a luta Demian falou que agora quer Anderson. Confira.
Demian Maia Triangle Chokes Chael Sonnen UFC 95

Parte 1

UFC 95 Paulo Thiago vs. Josh Koscheck

Faca na Caveira. Confira a entrada de Paulo Thiago no ringue e o que falavam dele. Grande desempenho de Thiago frente o casca grossa Koscheck. Comparando a luta de Thiago Alves e de Paulo Thiago contra Koscheck, e vendo a facilidade de Paulo e a dificuldade de Thiago Alves contra o mesmo advessário, acho que Thiago Alves terá que treinar muito para pegar o Georges St. Pierre.
Paulo Thiago Knockouts Josh Koscheck UFC 95

Parte 1

UFC 95 Junior dos Santos vs. Stefan Struve

Junior dos Santos encarou o gigante Stefan Struve e não amarelou. Grande luta, grande nocaute.
Junior dos Santos TKO Stefan Struve UFC 95
Parte 1

domingo, 22 de fevereiro de 2009

UFC 95 Wilson Gouveia vs. Nate Marquardt

Wilson Gouveia não conseguiu segurar Nate Marquardt. Começaram se estudando. Gouveia arriscou low kicks e uma guilhotina. A partir do segundo round o brasileiro foi só coração. Foi atingido várias vezes pelo americano e mesmo assim ia pra cima. No terceiro round, aos 3m10s, uma joelhada voadora abre o supercílio direito de Gouveia e a luta acaba.


UFC 95 Paulo Thiago vs. Josh Koscheck

Faca na caveira. O lutador e policial do Bope de Brasília Paulo Thiago, estreou no UFC com um surpreendente nocuate contra Josh Koscheck. Josh esbanjou confiança e isso fez Paulo crescer no combate. Num contra-ataque aos 3m29s do primeiro round, o brasileiro conectou um gancho de direita e anulou o americano, que caiu inconsciente.

PS: devido ao número de acessos o vídeo saiu do ar. Quem quiser pode baixar aqui

UFC 95 Demian Maia vs. Chael Sonnen

Demian Maia vence Chael Sonnen e continua invicto no MMA. Agora são 11 vitórias. Ele entrou no octagon sob os incentivos de Wanderlei Silva. Como gosta, Demian trabalhou seu jiu-jitsu. Aplicou uma bela queda e caiu montado no americano, com um triângulo encaixado. Só esperou Sonnem bater. Assista!

O lutador: a história de Lyoto Machida no jornal O Estado de São Paulo


O nissei Lyoto Machida refaz o caminho dos Gracie e quer consagrar a técnica de sua família no vale-tudo.

- Las Vegas, 31 de janeiro. A MGM Grand Arena está lotada para a noite dedicada ao mestre de jiu-jítsu brasileiro Hélio Gracie, morto na antevéspera aos 95 anos. A renda, anunciada pelos organizadores é de US$ 5 milhões. O juiz reúne dois lutadores no centro do octagon - ringue de oito lados onde se disputa o Ultimate Fighting Championship (UFC), o mais famoso dos eventos de vale-tudo no mundo. De um lado, o paulista Thiago Silva, a própria imagem do pitboy de cabeça raspada e braços cobertos de tatuagens, balançando ameaçadoramente. De outro, o baiano Lyoto The Dragon Machida permanece imóvel, com suas feições orientais e o corpo sólido, porém modesto em relação ao dos gigantes anabolizados que desfilam na categoria dos meio-pesados. Ambos invictos em 13 lutas, mas o retrospecto do paulista, com nocautes em quase todas, é mais impressionante.

Soa o gongo e Thiago... vai para cima. Desfecha uma série de socos, que se perdem no ar. Lyoto esquiva-se, estuda o adversário e dispara poucos golpes - todos com endereço certo, porém. Em um movimento rápido, leva-o ao chão com uma rasteira. De pé novamente, o paulista tenta manter o ímpeto, que parece arrefecer diante de um adversário que não se deixa atingir. Ao mesmo tempo, no intervalo de uma respiração, no átimo de segundo em que Thiago afrouxa a guarda ou se coloca no contrapé - é ali que o golpe de Lyoto entra, firme e certeiro. Como a joelhada que aplicou no fígado do ex-campeão Tito Ortiz em maio do ano passado, no UFC 84, levando-o ao solo.

O primeiro round, que dura cinco minutos, vai se aproximando do fim. Thiago sabe que está levando a pior e precisa tirar a diferença. Empurra Lyoto para o córner com uma sequência de socos. O baiano encosta-se no alambrado, gira o corpo e, num movimento casado de pernas e braços, joga o paulista ao solo mais uma vez. Silva mal toca as costas na lona e Machida já está sobre ele, desferindo um único direto de direita que o deixa inconsciente.

"Eu nunca tinha visto ninguém lutar como ele", diz o americano Dana White, atual presidente do UFC. "Fazemos estatísticas sobre as lutas e, na história do evento, ele é o lutador que menos foi atingido. Levou apenas um golpe a cada dois rounds e meio. Isso é maravilhoso." Para o principal comentarista de artes marciais da TV americana, o ex-lutador Bas Rutten, Machida "luta de maneira muito inteligente, mantendo-se na defensiva e aguardando o erro do adversário para contra-atacar". Rutten acha que ele tem boas chances de conquistar o cinturão ainda em 2009.

Aos 30 anos, Lyoto é filho caçula do imigrante Yoshizo Machida, um dos pioneiros no Brasil do caratê - técnica de combate sem armas, cuja tradução literal é "o caminho das mãos vazias". Engenheiro civil nascido na cidade de Ibaraki, no Japão, Yoshizo chegou ao Brasil em 1968 e trabalhou abrindo estradas e construindo pontes no interior do Pará - Estado que abriga a terceira maior colônia japonesa do País. Ao final do contrato, sem nenhum conhecido em Belém e com dificuldades com a língua que duram até hoje, Yoshizo chegou a passar fome. "Não voltei pro Japão porque seria uma vergonha", diz. Resolveu, então, viver da faixa preta - hoje, sétimo dan. Começou a dar aulas em academias até fundar a própria, a Apam - Associação Paraense de Artes Marciais. Depois se casou com a funcionária pública Ana Cláudia Carvalho, com quem teve os filhos Takê, Chinzô, Lyoto e Kenzô, dedicados ao caratê com exceção do último, que é repórter da TV Globo em Brasília.

Lyoto deve ao caratê até mesmo o encontro com aquela que seria sua mulher. Foi durante um treino, aos 15 anos, que ele conheceu a paraense Fabyola. Numa certa segunda-feira, ela o desafiou para o namoro. Lyoto recuou: disse que precisava pensar e pediu que ela voltasse na quarta. "Meu pai educou a gente assim, muito bruto, muito tradicional", diverte-se hoje, casado e com um filho de 7 meses, Taiyô, que significa "sol" em japonês.

Quando o adolescente Lyoto - fascinado pelas proezas de Royce e Rickson Gracie, filhos do lendário Hélio - disse que queria lutar no vale-tudo, o pai não concordou. Como diversos outros representantes de escolas tradicionais de artes marciais, mestre Machida não via muita nobreza nesse tipo de evento. Percepção semelhante à do filme Cinturão Vermelho (2008), do britânico David Mamet, que narra a história de Mike Therry, professor de jiu-jítsu aferrado à tradição, para quem "a competição desvirtua a luta, pelo simples fato de que uma competição não é uma luta". Machida impôs ao filho a condição de que se formasse na faculdade antes de escolher seu caminho.

Até o diploma de educação física chegar, Lyoto, faixa-preta de caratê desde os 13 anos, aperfeiçoou sua técnica na academia da família em Belém, e praticou jiu-jítsu e sumô. Do primeiro, conta, vem a "pegada" e o timing preciso de seus golpes; do segundo, a qualidade de sua luta de solo; do terceiro, a base que o torna um adversário difícil de se derrubar, como sentiu na pele Thiago Silva.

O nocaute que Lyoto lhe impôs, exibido ao vivo pelo SporTV, foi visto no Brasil por cerca de 300 mil telespectadores, segundo levantamento da emissora. Um público predominantemente jovem, entre 25 e 34 anos, classe AB. Sem falar nos 27 mil pacotes de pay-per-view, com todas as lutas nas mais variadas modalidades, renovados a cada ano. Um interesse que não surpreende o executivo Elton Simões, diretor do Premiere Combate e do canal BBB: "Os brasileiros inventaram esse tipo de esporte, que virou um grande negócio. Lutadores como Anderson Silva, Minotauro e Wanderlei Silva são verdadeiras estrelas no Japão e nos Estados Unidos", conta.

O UFC surgiu em 1993, nos EUA, criado por outro dos filhos de Hélio Gracie, Rórion, com os americanos Robert Meyrowitz e Art Davie. Rórion inspirou-se nos antigos desafios que o pai promovia no Rio de Janeiro na década de 50 para provar a superioridade de sua técnica, derrotando pugilistas, capoeiristas e quem mais se dispusesse a enfrentá-lo. Tornou-se histórica a luta do patriarca dos Gracies contra o judoca japonês Masahiko Kimura, 40 quilos mais pesado do que ele, realizada no Maracanãzinho, em 1955 - uma epopeia que durou 3 horas e 45 minutos e só terminou quando o brasileiro teve o braço fraturado pelo oponente.

As primeiras edições do UFC também foram marcadas pela superioridade inconteste do clã Gracie. Com seus 80 quilos, Royce vencia adversários de todos os pesos e estilos e sagrou-se campeão das edições 1, 2 e 4 do evento. Posteriormente, a introdução de novas regras e a difusão das técnicas do jiu-jítsu pelo mundo foi reduzindo o diferencial dos brasileiros que, embora competitivos, perderam a hegemonia no vale-tudo.

Nos últimos anos, experts em boxe tailandês e luta livre abriram caminho a bordoadas em um espetáculo no qual força bruta e resistência física passaram a ser mais valorizadas do que a técnica - inclusive pelo público, que vai à loucura com o que o jargão do meio batizou de "trocação", a pancadaria explícita e sanguinolenta no ringue.

O estilo de Lyoto quebrou esse paradigma. Também chama a atenção para o brasileiro o fato de ele ser representante de um tipo de luta considerado pouco eficiente no vale-tudo: o caratê shotokan. Mais uma vez, a exemplo do jiu-jítsu dos Gracies, o Brasil realiza com os Machida uma espécie de antropofagia marcial, renovando a tradição de uma arte milenar japonesa.

Apelidado de "Karatê Kid do UFC" pelo jornal canadense Vancouver Sun, Lyoto compara sua estratégia à arte dos antigos samurais: "Naquela época, qualquer golpe com a espada custava um braço, uma perna ou mesmo a vida. Prefiro vencer apanhando pouco". Apesar da confiança e da tranquilidade que sempre exibe no ringue, o carateca não nega o peso da responsabilidade, que aumenta a cada vitória.

Em 2000, o jovem Ryan Gracie, escalado para vingar as derrotas de Renzo e Royce contra o japonês Kazushi Sakuraba, fracassou na revanche. Amigos contam que ele nunca mais foi o mesmo e a decepção que sentiu foi decisiva na espiral de problemas psicológicos que o levaria à morte em dezembro de 2007 numa cela do 91º Distrito Policial, em São Paulo - em um episódio até hoje mal explicado.

Com o título mundial ao alcance de suas "mãos vazias", Lyoto se diz sempre pronto para vencer. Estaria, no entanto, pronto para perder? "Preparar-se para a derrota é preciso, mas isso é tão difícil quanto preparar-se para a própria morte. É claro que existe uma pressão muito grande sobre mim - da família, dos fãs, dos praticantes de caratê shotokan em todo o Brasil. Mas quando entro no octagon tento deixar isso tudo de lado, e lembrar que aquele é um momento só meu."
Ivan Marsiglia - O Estado de S.Paulo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...