domingo, 31 de maio de 2009

WEC: Brown x Faber II, Preview

UFC99 Wanderlei falando sobre últimas derrotas e Rich

Entrevista com Junior Cigano,

Foto: Lorena Loureiro


Catarinense radicado em Salvador, Junior “Cigano” dos Santos é considerado atualmente a maior revelação brasileira entre os pesos pesados no MMA (Mistura de Artes Marciais, antigo vale tudo). Lutador do UFC, Cigano tem 1,94m, 110 quilos e um cartel com oito vitórias (6 nocautes e 2 finalizações) e uma derrota. Luta pela Minotauro Team e sua maior vitória foi o nocaute em cima do consagrado Fabrício Werdum, campeão mundial de jiu-jítsu e que disputaria o cinturão do UFC caso vencesse Cigano. Conheça melhor o atleta e o esporte nesta entrevista ao repórter Éder Ferrari concedida na última semana.

Bahia Notícias – Como e quando você iniciou sua carreira?


Júnior Cigano - Logo quando cheguei a Salvador eu fui garçom. Comecei a trabalhar numa loja de brinquedos e, em abril de 2005, eu passei a treinar Jiu-Jítsu em uma academia normal. Fui me destacando, apesar de nunca ter praticado uma arte marcial. O professor Iuri Calton viu meu empenho e me convidou pra treinar na equipe. Mais ou menos depois de três meses de treino de Jiu-Jítsu, me levou pra fazer os treinos de submission e de Vale tudo, que rolavam à tarde nessa mesma academia. Eu gostei. Ele disse que eu levava jeito, então fui treinando, treinando, gostando e, com mais ou menos um ano de treino, ele disse que eu podia arriscar fazer uma luta. Foi o que aconteceu. Fiz uma luta em Julho de 2006 e acabei ganhando. Assim... não estava bem preparado, mas ganhei, e foi aí que começou tudo. Desde então, não quis mais parar de treinar. Tenho quatro anos de treino, mas são quatro anos de treino mesmo, sem parar, todos os dias. Eu só paro mais ou menos 10 dias depois das lutas e volto a treinar novamente.

B.N – O esporte ainda é marginalizado no Brasil?

Cigano - Aqui no Brasil ainda existe preconceito. No mundo também existe, mas já melhorou demais. Nos EUA, por exemplo, é um esporte de primeira linha. É um esporte agressivo, mas não é violento. O atleta tem que treinar muito, quem quer ser um atleta de MMA, tem que gostar mesmo do que faz e tem que treinar demais, porque as dificuldades são grandes pra você alcançar um bom lugar. Eu, graças a Deus, tive sorte de fazer boas lutas, vencer a maioria delas, sempre no primeiro round, até quando eu perdi foi no primeiro. O MMA, o pessoal aqui no Brasil chama de vale tudo, mas na verdade não é. É a mistura das artes marciais e tem suas regras bem definidas: não pode golpes baixos, assim como nos outros esportes, mas, como engloba todas as artes marciais, é permissível algumas coisas que na maioria das outras artes não pode, como cotovelada, essas coisas assim. Em alguns eventos pode chute, joelhada na cabeça, depende do evento.

B.N – Quais são as principais regras do MMA?

Cigano - O UFC (Ultimate Fighting Championship) hoje em dia é o evento que comanda. É o carro de frente do MMA no mundo. Então, o pessoal viu que está dando certo e todo mundo querendo seguir o jeito do UFC de fazer o MMA, adaptando o octógono (arena de luta que tem este formato geométrico específico). No UFC, você luta na jaula, no Japão normalmente luta no ringue, mas já estão mudando isso também, se adaptando, seguindo as regras do UFC. Até no Japão, que sempre foi mais liberal nas regras. Sobre o cotovelo, tem um jeito especifico de bater, não pode bater de qualquer jeito. Se o cara está no chão, você não pode bater com o cotovelo de cima pra baixo, só pode no sentido lateral do rosto, se não bater de lado é falta, então é bem complexo, tem várias regras. Tem os três apoios. Quando o lutador tem três apoios no chão não pode tomar joelhada no rosto nem chute, que só vale de dois apoios e em pé. Cabeçada não pode, além daquelas coisas que não existem em nenhuma arte marcial como dedo no olho, mordida, puxar o cabelo, entre muitas outras.

B.N – Você começou no Jiu-Jítsu, mas em suas lutas tem ganho com nocaute. Qual sua especialidade?
Cigano - Eu realmente comecei no jiu-jítsu, mas depois da primeira luta mestre Iuri me apresentou ao professor Luís Carlos Dórea, que todo mundo sabe quem é, já que é o grande nome do boxe no Brasil e um dos melhores do Mundo. A partir desse momento, não parei de treinar boxe todo dia de manhã na (academia) Champion, aqui em Salvador. Por isso, hoje eu consigo desenvolver (boxe) mais que o jiu-jítsu. Tenho mais facilidade em lutar em cima. Prefiro até que a luta se desenrole desse jeito do que no chão. Mas eu treino com os irmãos Nogueira hoje em dia. Minotauro e Minotouro me dão uma grande força. Eu ainda não tive a oportunidade de mostrar o meu chão. Sou faixa roxa do professor Iuri, mas meu nível de chão pro MMA é bom.

B.N - Muitos questionam sua qualidade no chão por suas lutas sempre terminarem na trocação (troca franca de golpes com os dois lutadores de pé) e porque sua única derrota foi em uma finalização até fácil do seu adversário (Joaquim Ferreira, em outubro de 2007).


Cigano - Até no jiu-jítsu normal eu consigo ir bem, só que, como todo mundo sabe, luta é luta. Foi um vacilo que aconteceu naquele caso. Também é bom lembrar que eu já havia vencido esse lutador em outra ocasião e realmente naquele dia foi o dia dele, ele teve sorte. Mas eu já enfrentei lutadores até melhores que ele no chão, como Jair Sorriso, que é faixa preta, campeão mundial, e no inicio da luta ele me botou pra baixo e não conseguiu desenvolver. Eu me virei legal e nocauteei. Até mesmo com o Fabrício Werdum, que é uma referência no jiu-jítsu, a luta foi rápida, mas houve um momento da luta que ele tentou me clinchar (travar o adversário impedindo o desenvolvimento da luta) e era a área dele, entendeu? Desenrolei bem ali. Não me preocupo em ir pro chão. Se a luta for pro chão eu não me preocupo, vou fazer meu chão, sei que tenho condições de me defender bem e posso até finalizar.






B.N – Como é sua rotina de treinamento?

Cigano - Aqui em Salvador eu treino boxe todo dia de manhã na Champion de segunda a sábado e Muay Thai na terça e na quinta. De noite eu vou para a Academia da Praia (localizada na Pituba, ao lado do Colégio Integral), onde segunda, quarta e sexta eu faço a parte de jiu-jítsu com o professor Iuri, e terça, quinta, e sábado à tarde faço a parte de preparação física com André Piculo. Mas, quando eu me preparo pra um luta, gosto de ir pro Rio (de Janeiro) também. Lá faço preparação física com o professor Dragos, que é o mesmo preparador de Minotauro, Belfort, de Minotouro. “Afino” (melhoro) o chão, que no Rio ainda está mais avançado que aqui em Salvador, mas Salvador está no caminho certo. Aliás, nós temos grandes atletas aqui no jiu-jítsu.


B.N – Qual sua categoria de peso e sua alimentação?


Cigano - Eu sou peso pesado, que tem o limite de peso de 93 até 120 quilos. Eu peso normalmente 110 e gosto de lutar com 108 quilos mais ou menos. Não tenho problema de perder peso; a alimentação eu procuro fazer da melhor forma sem evitar nada, só regrar bem pra ser saudável.


B.N – Quando você começa a focar o treinamento para a próxima luta?


Cigano - Eu geralmente começo meu treinamento três meses antes da luta fazendo bastante força na preparação física, treinando bastante a parte técnica tanto do boxe quanto do jiu-jítsu e Muay Thai. Faltando dois meses, eu começo a fazer o sparring (lutar com um adversário real, mas que não agride, apenas recebe os golpes). Com um mês e meio eu começo a fazer o sparring mais duro, com peso pesado mesmo, fazendo como se fosse a luta. Faltando um mês o ritmo acelera pra chegar até o meu máximo tanto na preparação física quanto nas artes. No boxe, jiu-jítsu e muay thai é a hora que dispara tudo pra puxar bastante meu gás, puxar bastante a forma de como vai ser a luta. Sigo isso até chegar um determinado ponto de quase exaustão mesmo. Mais ou menos duas semanas antes eu começo a diminuir o ritmo, ainda fazendo toques, sparrings, mas não com tanta agressividade, mais tranquilo. A semana da luta passo na cidade aonde irá acontecer a luta. Já é mais tranqüilo, mais pensando na luta, então treino uma vez por dia só pra manter realmente o ritmo.

B.N – Quando será sua próxima luta e contra quem?
Cigano - É o americano Justin McCully. Tive dando uma olhada nos vídeos dele. É das antigas, lutava no Japão. É um cara bom de wrestling (luta Greco-romana), chuta bem, já treinou bastante muay thai, a trocação dele é boa, mas a parte mais perigosa dele que eu considerei foi o chão e o wrestling. Então, mais uma vez, vou tentar desenvolver a luta em cima, tentar usar o nosso boxe para conseguir definir a luta. Ele é um cara bastante duro, acredito que a luta vai ser muito boa. O evento vai ser o UFC 102 Couture vs Nogueira, em Portland, Oregon, nos Estados Unidos, dia 29 de agosto.

B.N – Você falou do Rodrigo Minotauro Nogueira. Se ambos vencerem suas lutas, podem acabar em rota de colisão. Você o enfrentaria?

Cigano - O pessoal gosta de sondar essas coisas, mas eu tenho um respeito muito grande por ele. Acredito que eu estou lá porque ele me ajudou, ele e o irmão dele. Os professores Dórea e Iuri me deram a oportunidade e me ajudaram, se empenharam em mim pra eu poder chegar lá em pouco tempo. Então eu o tenho, além de ídolo, um grande irmão, um amigo de coração mesmo. Eu nunca lutaria com ele, independente de dinheiro. Quem me conhece sabe disso, eu não luto com ele de forma alguma!


B.N – Você não acha que esse tipo de comportamento vai de encontro ao profissionalismo pregado pelo esporte?

Cigano - Eu acho que não porque no MMA as lutas ainda são casadas. O evento faz as lutas conforme eles querem, não é uma competição aonde você vai se graduando até sair um vencedor. Nós temos o exemplo do próprio Brock Lesnar, que tem apenas três lutas e é o campeão peso pesado do UFC hoje. Então isso não é como o futebol, que irmão joga contra irmão. Se der, prefiro evitar um confronto com uma pessoa que é tão querida pra mim e próxima. Vou tentar que não aconteça essa luta e provavelmente não vai acontecer, até o próprio evento sabe disso. Nossos empresários são os mesmos e sabem disso. São eles que fecham as lutas, então acredito que por esse motivo não aconteça esse confronto. O esporte, como você disse, pode exigir esse profissionalismo de enfrentar quem você gosta, mas eu acho que isso tendo como ser evitado, melhor né?





B.N – Você achou justo terem colocado o Brock Lesnar para disputar o cinturão com um cartel de uma vitória por pontos e uma derrota por finalização no primeiro round?


Cigano - Como eu falei, no MMA, as lutas ainda ocorrem como o público pede e o próprio Lesnar é um cara muito famoso no mundo. Ele veio do pro-wrestling, que aqui nós chamamos no Brasil de “Telecatch” e vende muito. O público queria vê-lo lutando contra os melhores. Colocaram. Não sei se ele merecia ou não, a decisão é deles, então a gente não tem muito o que fazer. Eu fiquei indiferente, porque se ele não tem condições de ser o campeão logo vai perder. Ele se mostrou um bom atleta, determinado, veio de um negócio que é meio teatro e conseguiu se dar bem no mundo real da luta. Acredito que logo a casa dele vai cair. Se ele pegar Minotauro, ele perde!


B.N – O que acha de uma luta contra ele?

Cigano - Eu gostaria de lutar com ele. É um cara que é bem pesado, realmente é rápido pro peso dele, mas eu não vejo toda essa rapidez nele não. Acho que o trabalho pra ganhar dele é em cima. Ele é duro, pega pesado, mas eu acredito que tenho condições de vencer ele sim, com um trabalho certo na trocação, poderia ganhar dele.


B.N – Muitos lutadores migraram para os Estados Unidos em busca de melhor estrutura. É o caminho natural?

Cigano - Se me perguntam isso, eu falo que gosto muito de treinar aqui em Salvador, mais até do que no Rio, que tem bons treinos e tenho que ir pra lá. O Minotauro tem academia nos EUA. Vai fazer o treinamento dele pra lutar contra o Couture lá e me convidou pra ir. Ainda não quis e falei com ele que eu vou em julho. Vou fazer a primeira parte do meu treinamento no mês de junho no Rio. Preparação física, ganhando forças, ficando mais forte, e em julho, provavelmente, estarei indo para Los Angeles, onde vou ter o apoio do Anderson Silva (campeão da categoria até 84 quilos), do pessoal da Minotauro Team. Mas quanto a ir morar nos EUA, eu acredito que não. Eu gosto muito de me sentir em casa e pra isso tenho que ficar aqui em Salvador.


B.N – O que aconteceu com o Minotauro em sua última luta, quando foi derrotado sem muito esforço pelo americano Frank Mir?


Cigano - Ele até não gosta de falar disso, o bicho é casca grossa mesmo, mas é a verdade, a gente não pode ocultar. Realmente (Minotauro) teve um problema de saúde. Ele pegou uma bactéria vinte dias antes da luta e ficou internado cinco dias no hospital sem fazer nada, tomando remédio. Isso, com certeza, acabou com ele. Quem conhece Minotauro viu que não era ele lutando, ele não conseguiu mostrar o lutador que é. O Frank Mir aproveitou a oportunidade numa luta que se os dois estivessem bem preparados, eu acredito que o Mir não teria condições de vencê-lo. Essa também é a visão da maioria do pessoal. O Rodrigo é um dos grandes nomes, sempre foi, e junto com o Emilianenko Fedor (russo tido como o melhor peso pesado do mundo, mas que não luta no UFC por problemas contratuais) são os dois melhores lutadores da categoria.


B.N – Em sua última luta, muitos viram semelhanças em seus golpes com os do Fedor no momento que você finalizou o combate. Você procura utilizar o estilo dele ou foi apenas coincidência?


Cigano - Quanto à semelhança dos golpes eu acredito que foi coincidência porque eu usei bastante os cruzados, porque o cara que eu lutei, o Stefan Struve, tem 2,11m de altura. Eu estava receoso, achando que não conseguiria chegar perto dele, que ia me manter na distância. Ele me deixou encurtar a distância e eu aproveitei. Achei que foi um erro dele e tentei aproveitar da melhor forma, que foi desferindo vários golpes ao mesmo tempo. Então, realmente, eu ouvi alguns comentários do pessoal achando parecido, mas foi apenas uma oportunidade na luta.





B.N – Em uma hipotética luta contra o Fedor, qual estratégia você utilizaria para tentar vencê-lo?

Cigano – Quanto ao Fedor, eu acho que Andrei Arlovski (bielorrusso nocauteado por Fedor no primeiro round em luta ocorrida em janeiro no evento Affliction), mostrou qual o defeito dele. É um excelente lutador, agora eu acho que com a estratégia certa tem como vencê-lo em pé. O Arlovski conseguiu se colocar muito bem contra ele, estava vencendo nos primeiro estantes da luta, e, de repente, acredito que em uma atitude impensada, de vontade de acabar a luta logo, tentou uma joelhada voadora e tomou um direto. Como a gente sabe, o Fedor é o cara, número um do mundo dos pesos pesados, tem a mão pesada, mas eu acho que o caminho é aquele, é treinar, marcar uma estratégia e segui-la e não sair dela, como fez o Andrei Arlovski. Tem que bater nele em cima mesmo, não deixá-lo encurtar, porque ele derruba muito bem. O Sambo é a especialidade dele e é uma luta bastante dura, mas que deixa brechas, e o caminho é bater nele em cima fora do seu raio de alcance.


B.N – O que falta para o MMA ter no Brasil a mesma popularidade que tem em outros países do mundo como Estados Unidos, Japão, Inglaterra e Canadá, por exemplo?

Cigano - Aqui no Brasil falta à mídia ajudar. Temos o canal Première Combate (canal fechado da Globosat) que é um grande sucesso. Um canal só de luta que tem uma grande audiência e transmite o UFC. Sem um pouco de apoio de empresários e da mídia fica difícil. A gente não gosta do que não conhece. Gostamos do futebol porque a gente vê o futebol em tudo, em todos os horários, em qualquer jornal passa futebol. Então, acaba entendendo de futebol. Se as pessoas entenderem de luta, elas vão gostar da luta, vão admirar o cara conseguir chegar ou sair de uma posição difícil, uma boa seqüência em cima. Vão saber de toda dificuldade e esforço do lutador no dia a dia, os sacrifícios que precisam ser feitos. Então, acredito que com o apoio da mídia e dos empresários podemos ser maiores também na audiência e credibilidade.

bahianoticias.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Lyoto é recebido com festa em Belém

Por Guilherme Cruz

Foto Josh Hedges

Depois de responder a dezenas de entrevistas como o novo campeão meio-pesado do UFC, Lyoto Machida foi para o aeroporto de Los Angeles, na noite de ontem, para pegar um avião rumo ao Brasil, mas foi pego de surpresa: não havia horário. Com pressa para chegar a Belém, cidade onde mora com a família, Lyoto correu para o aeroporto de Las Vegas.

“Preciso chegar ao Brasil amanhã (hoje). Vai ter uma festa para mim lá”, contou Machida à TATAME. “Vou desfilar num caminhão dos Bombeiros e ser recebido pelo Governador”, comemora o carateca, feliz com o reconhecimento após a grande conquista. “Fiquei muito feliz, isso não foi fácil para mim. Lutei a minha vida inteira para chegar onde cheguei, investi todo o tempo da minha vida acreditando nesse sonho”, finalizou.

O ranking dos rankings

Guga Noblat
De Brasília (DF)

Sim, nós temos um ranking! Esta coluna sobre MMA do Terra Magazine se valerá a partir de hoje do ranking do jornal USA Today para apresentar os atletas mais temidos do MMA mundial (esporte outrora chamado de Vale-Tudo).

Todo dia pipoca um ranking novo elaborado por alguma mídia especialista em MMA (em inglês, Artes Marciais Mistas). O jornal USA Today, em parceria com o site Bloody Elbow, compilou o resultado de 21 pesquisas em um único ranking.

É uma espécie de ranking consensual, o ranking dos rankings.

No MMA, o único ranking considerado "oficial" é o da Associação Mundial de MMA (em inglês,WAMMA). Trinta jornalistas selecionam todo mês os 10 melhores atletas de sete categorias de peso com base no resultado e relevância de suas últimas lutas. Porém, meia dúzia de gente sabe disso.

Por conta do boicote promovido contra o WAMMA pelo maior torneio de lutas do planeta, o Ultimate Fighting Championship (UFC), a associação ainda engatinha para ser legitimada como o órgão responsável pela fiscalização e promoção do MMA.

O UFC não precisa do WAMMA e não pensa em fortalecer uma instituição que promove lutadores de eventos rivais. No UFC, o campeão dos pesados chama-se Brock Lesnar. Mas ele ocupa apenas a 4 posição no ranking do WAMMA.

Uma das missões do WAMMA é justamente a de elaborar um ranking consensual. Mas para o presidente do UFC, Dana White, um sistema formal de classificação de lutadores pode corromper o esporte ao abrir caminho para a combinação de resultados. Além de impedir o casamento das melhores lutas, segundo Dana.

O ranking do WAMMA é um dos 21 que foram compilados para se chegar ao resultado apresentado pelo USA Today.

Acompanhe o ranking dos rankings logo abaixo, dividido em cinco categorias de peso. O sinal de porcentagem (%) significa a média do número de vezes que um atleta aparece numa determinada posição. Por exemplo, entre os pesados o russo Fedor Emilianenko surge em 1º lugar em todas as pesquisas. Por isso alcançou a marca de 100%. Em 92% dos rankings, o segundo colocado é Josh Barnett, e por ai vai...

Peso pesado: 93 a 120kg

* Fedor Emilianenko reina absoluto entre os pesados. Nos últimos anos foi eleito pela maioria dos críticos como o melhor atleta entre todas as categorias de peso. Em agosto será de longe o favorito no duelo contra o segundo melhor colocado nos rankings, o americano Josh Barnett. O único brasileiro entre os 10 primeiros é o veterano Antônio Rodrigo Nogueira, o Minotauro. Júnior dos Santos, o Cigano, 13º, é a aposta de muitos fãs brasileiros para os anos que virão. O único homem a batê-lo, o também brasileiro Joaquim "Mamute" Ferreira, disse-me que o Cigano com certeza dominará o UFC. "Cigano é o atleta mais duro que já enfrentei e tem tudo ser um dos tops", revelou Mamute.

Peso meio-pesado: 84 a 93 kg

* O carateca brasileiro Lyoto Machida assumiu o 1º lugar da categoria mais disputada do MMA mundial ao derrotar na última semana o americano Rashad Evans em combate válido pelo cinturão do UFC. Os críticos acham que ele será apontado ainda por muito tempo como o número um. Mas se alguém lhe tomar o topo, é provável que seja um brasileiro. Sete brazucas aparecem entre os 15 melhores meio-pesados.

Cinco deles estão entre os 10. Maurício "Shogun" Rua, na minha modesta opinião, é quem mais pode complicar a vida de Lyoto.

Peso médio: 77 a 84 kg

* A categoria está a alguns anos nas mãos do curitibano Anderson Silva. Difícil prever alguém que possa destroná-lo. Sua próxima luta será entre os atletas até 93kg devido à falta de adversários perigosos entre os oponentes até 84kg. Outros quatro brasileiros aparecem entre os 10 mais bem colocados nessa categoria. Ventila-se um combate entre o paulista Demian Maia, 7º, e Anderson pelo cinturão do UFC. Perguntei a Alexandre Bebezão, parceiro de treino de Anderson, se Demian representa perigo? Ele garantiu que se a luta sair será uma vitória fácil para o Anderson: "Thales Leites (última vítima do curitibano) é bem mais forte do que o Demian, tem um estilo parecido com o dele e não conseguiu fazer nada contra o Anderson", finalizou Bebezão.

Peso meio médio: 70 a 77 kg

* O Brasil tem apenas dois representantes bem ranqueados entre os meio médios. Thiago Alves, de Fortaleza, poderá trazer daqui a duas semanas o cinturão do UFC para o Brasil. O brazucas poderão dominar três das cinco categorias reconhecidas pela organização. Ele encarará nada menos do que o canadense Georges ST Pierre, um dos atletas mais respeitados da história do MMA. Paulo Thiago, 11º, de Brasília, apareceu na lista meio que de supetão, depois de derrotar um dos lutadores mais temidos da categoria, o americano Josh Koscheck, 6º.

Seu próximo compromisso será um duelo contra o número 3 do ranking, o também americano Jon Ficth. O brasileiro poderá provar que não caiu de pára-quedas na lista dos melhores. Rany Yahya, parceiro de equipe do Paulo, está confiante na vitória dele: "Paulo é um cara que sempre escapa das situações mais complicadas para vencer no final", contou Rani, que também é atleta do World Extreme Cagefighthing.

Peso leve: 66 a 70 kg

* Entre os leves o Brasil apresenta a maior carência de grandes estrelas. O único na lista dos 15 melhores chama-se Gesias Cavalcanti, 7º, um excelente atleta, mas ainda em busca de ritmo de luta. Ficou mais de 500 dias parado. Retornou aos ringues na semana passada e acabou derrotado para o rival japonês Tatsuya Kawajiri, 8º. Com o resultado negativo aguardará mais um pouco na fila dos postulantes ao cinturão do DREAM. BJ Penn e Kenny Florian, os dois mais bem ranqueados, estão com luta marcada para agosto. Mas não acredito que o resultado desse embate alterará o topo do ranking.

Lista de sites que tiveram seus rankings compilados pelo USA Today: Five Ounces of Pain, Inside MMA, MMA 4 Real, MMA Fighting, MMA Ratings, MMA Rocks, MMA Weekly, Sherdog, Total MMA, WAMMA, Fight Magazin, Fight Matrix, MMA ELO, MMA Playground, TAGG Radio, Houston Chronice's, Brawl Sports, MMA on Tap, MMA Torch, 411 Mania, Cage Potato.

* WVR - abreviação para World Victory Road's Sengoku, evento japonês de MMA

Jacaré: “Ninguém sabia que ele era louco”

Por Guilherme Cruz

Foto Marcelo Alonso

O Dream 9, que aconteceu na última terça (24), terminou de maneira dramática. Na luta principal da noite, Ronaldo Jacaré e Jason Miller disputavam o cinturão vago do peso médio, mas, com pouco mais de dois minutos de luta, Jason acertou um tiro de meta no brasileiro, golpe proibido pelas regras do evento, que acabou resultando num grande corte no rosto do brazuca, pondo fim à luta sem um vencedor (No Contest). De volta ao Brasil, Jacaré se revolta com a postura do seu adversário.

“Ninguém sabia que ele era um louco com capacidade de fazer aquilo... Ele me ofendeu. Eu queria lutar, ele queria ofender”, dispara o faixa-preta, que já venceu Jason em 2008 e fica na espera para um possível terceiro encontro. “Cara, eu já venci ele uma vez, estava vencendo essa... Para mim, se eu tiver que lutar eu luto, se não tiver, tanto faz. O problema é dele, já perdeu uma vez e na segunda fez essa merda”, afirmou Jaca. Confira abaixo uma entrevista exclusiva com Jacaré, que reclamou da decisão dos juizes, de não desclassificar o americano, e os treinos com Paulão Filho, para seu retorno no Dream 10 contra Melvin Manhoef.

O que você achou dessa polêmica toda na luta?

Ninguém sabia que ele era um louco com capacidade de fazer aquilo...

Um pouco antes do final da luta, vocês começaram uma discussão. O que aconteceu?

Ele me ofendeu. Eu queria lutar, ele queria ofender… Ele falou que eu dei uma cabeçada e abriu o seu rosto, mas o que abriu a cara dele foi o primeiro soco que eu dei.

Depois da luta, ele deu ume entrevista xingando até os fãs que torcem para os brasileiros...

Ele tem essa mania, na hora de dar entrevista ele cresce, mas na hora da luta ele chorou, pediu desculpas para o treinador dele, depois veio em direção ao meu córner dizendo que eu era um idiota, e pediu desculpas também. Ele está provando que não é uma pessoa de uma cara só, ele é um duas caras. Depois que deu ‘No Contest’ ele chorou, pediu desculpas aos treinadores, e isso todo mundo viu, mas não sei se todo mundo ele chegando no meu córner me chamando de idiota e pedindo desculpas também. De resto está tudo bem, não estou muito preocupado com ele não. Tive um “preju”, mas foi superficial. Foi grande, mas superficial.

Como está a cabeça? Você tomou quantos pontos?

Não contei, mas foi grande. Mas estou legal, daqui a pouco eu tiro isso aqui e vai ficar de boa.

Você acha que a luta poderia ter continuado mesmo com o corte?

Cara, estava sangrando muito, não tinha como continuar lutando. Na hora não me importei, eu queria lutar, não ligava se tinha sangue, se estava vermelho ou se estava azul, eu queria era lutar. Mas olhando o vídeo eu vi que não tinha condições de continuar, estava sangrando muito.

E o que você quer agora? Você quer fazer a terceira luta com ele?

Cara, eu já venci ele uma vez, estava vencendo essa... Para mim, se eu tiver que lutar eu luto, se não tiver, tanto faz. O problema é dele, já perdeu uma vez e na segunda fez essa merda...

Foi concordou com os juizes, que deram ‘No Contest’?

Isso foi um absurdo, não tem nem o que comentar em relação a isso...

O Dream 10 está marcado para o dia 20 de julho. Você acha que vai ter tempo de recuperar para este evento?

Eu não sei o que eles vão fazer... Sinceramente, eu não sei, não me falaram nada. Eu treinei três meses para vir esse palhaço fazer o que fez, agora não vou lutar em julho, só daqui a um tempo. Vou dar uma descansada e aguardar.

O que você achou do evento em si?

O evento no geral foi bom, foi excelente, estava bonito. O saldo foi bem positivo em relação ao show, ao público.

E qual a expectativa para a próxima edição, que tem o Shaolin enfrentando o Aoki e o Paulão lutando com o Manhoef?

Olha, juntando com essas feras não tem como não ter um show bonito, ainda mais o Dream, que sabe fazer o show.

Você está ajudando o Paulão para voltar aos ringues... Como você acha que vai ser essa luta dele com o Manhoef?

Paulão é aquilo: depois que colocou no chão, não tem como o Melvin sair. O Paulão está cada dia ficando mais forte, está crescendo gradativamente, está pesado, num peso que ele gosta de lutar, é bom para ele, não vai ter muito problema do peso. É o Paulão na cabeça. O Paulão finaliza ou termina batendo no Melvin e ele não aguenta a pressão.

Você e o Paulão vieram do Jiu-Jitsu para o MMA. Como você está encarando essa troca de experiências com ele?

É bom para nós dois, porque ele é um cara experiente e eu sou um cara campeão mundial absoluto, então a gente está se ajudando muito. Quando comecei a treinar ele já era faixa-preta, sempre gostei de vê-lo lutar e é um prazer para mim e tenho certeza que está sendo um prazer para ele, todo mundo está feliz.

Affliction: Fedor x Bernett Banner

UFC 99 Preview

Lyoto defende seu título do UFC contra Shogun


Equipe PVT

Desde que Quinton Jackson abriu mão de disputar o título dos meio-pesados para enfrentar Rashad Evans, surgiram rumores de que o primeiro adversário do campeão da categoria, Lyoto Machida, seria Mauricio Shogun.



Fontes seguras garantiram ao Portal do Vale Tudo que o combate entre os brasileiros será mesmo realizado, e vai acontecer no UFC 104, no dia 24 de outubro, em Los Angeles. O Staples Center, arena que recebe jogos da NBA, WNBA e NHL, e cuja capacidade é de 20 mil espectadores, receberá o esperado confronto.



Será a primeira defesa de cinturão de Lyoto Machida, que conquistou o título no último sábado ao vencer Rashad Evans por nocaute, no UFC 98. Já Shogun tentará sua terceira vitória no octagon. Após estrear com derrota diante de Forrest Griffin, o lutador passou por duas cirurgias e no seu retorno nocauteou Mark Coleman e Chuck Liddell.



Será a segunda disputa de cinturão entre brasileiros, já que Anderson Silva e Thales Leites protagonizaram o primeiro confronto verde e amarelo por um título, no UFC 97.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

UFC 99 Preview: Dan Hardy Training


MMA Live: 5-28-09






Quinton Jackson e Rashad Evans serão os técnicos do TUF 10

rashad-rampage

Por Melvin Laurindo - Brasil Combate

A décima edição do “The Ultimate Fighter”, reality show promovido pela Zuffa, proprietária do UFC, terá como técnicos os americanos Quinton “Rampage”Jackson e Rashad “Sugar” Evans, ambos ex-campeões da categoria meio-pesado, hoje dominada por Lyoto Machida.

A décima edição do programa promoverá um torneio de pesos pesados, sendo que Evans, agora técnico, foi o vencedor do TUF 2, a única edição do programa que promoveu o encontro entre lutadores daquele peso.

Jackson, que era o primeiro da fila na disputa do cinturão dos pesos meio-pesados contra o brasileiro Lyoto Machida, agora terá pela frente, antes disso, o ex-campeão, Rashad Evans. A luta é esperada para o mês de dezembro deste ano.

Um novo oponente para Lyoto Machida na disputa do cinturão da categoria meio-pesado deve ser anunciado em breve. Há rumores que possa vir a ser o brasileiro Maurício “Shogun” Rua ou, ainda, Anderson Silva, caso este último ganhe de Forrest Griffin em sua próxima apresentação.

Fique ligado no Portal Brasil Combate para mais novidades sobre o TUF 10 e sobre o novo oponente de Lyoto Machida.

Fabrício Werdum exclusivo na TATAME TV

Por Guilherme Cruz

Foto Gong Kakutougi

Após acompanhar o Art of War 12, que aconteceu no último final de semana em Pequim, na China, Fabrício Werdum conversou com a TATAME TV no hotel onde ele e mais de 400 convidados de honra ficaram hospedados. Analisando as mudanças na sua carreira, com a primeira derrota por nocaute e a saída do UFC, o brasileiro esbanjou confiança e prometeu trazer o cinturão do Strikeforce para o Brasil, que hoje está nas mãos de Alistair Overeem, que já foi finalizado por Werdum.

“Se me derem a oportunidade no Strikeforce, vou mostrar que tenho condições de fazer qualquer luta, estou pronto. Estou só esperando, com aquela vontade de querer lutar. Ia acontecer a minha luta com o Overeem, eu estava treinando bastante, mas não rolou”, contou Werdum, que comentou seus treinos com Wanderlei Silva e Rafael Cordeiro em Las Vegas, os bastidores do Art of War na Chine e garantiu: segue firme na equipe Chute Boxe. Confira abaixo a entrevista exclusiva com Werdum à TATAME TV.




Ranking Sherdog - 28/05, Top 10

Mais um Ranking para gerar polêmica.
Heavyweight

1. Fedor Emelianenko (30-1, 1 NC)
2. Andrei Arlovski (15-6)
3. Josh Barnett (24-5)
4. Frank Mir (12-3)
5. Antonio Rodrigo Nogueira (31-5-1, 1 NC)
6. Brock Lesnar (3-1)
7. Randy Couture (16-9)
8. Tim Sylvia (24-5)
9. Shane Carwin (11-0)
10. Alistair Overeem (29-11, 1 NC)

---

Light Heavyweight

1. Lyoto Machida (15-0)
2. Quinton Jackson (30-7)
3. Rashad Evans (13-1-1)
4. Forrest Griffin (16-5)
5. Mauricio Rua (18-3)
6. Luis Arthur Cane (10-1)
7. Wanderlei Silva (32-9-1, 1 NC)
8. Antonio Rogerio Nogueira (17-3)
9. Keith Jardine (14-5-1)
10. Thiago Silva (13-1)

---

Middleweight

1. Anderson Silva (24-4)
2. Yushin Okami (23-4)
3. Nate Marquardt (28-8-2)
4. Robbie Lawler (16-4, 1 NC)
5. Dan Henderson (24-7)
6. Demian Maia (10-0)
7. Jorge Santiago (21-7)
8. Thales Leites (14-2)
9. Vitor Belfort (18-8)
10. Chael Sonnen (23-10-1)

---

Welterweight

1. Georges St. Pierre (18-2)
2. Thiago Alves (16-3)
3. Jon Fitch (18-3, 1 NC)
4. Jake Shields (22-4-1)
5. Martin Kampmann (15-2)
6. Karo Parisyan (18-5, 1 NC)
7. Paulo Thiago (11-0)
8. Josh Koscheck (12-4)
9. Carlos Condit (22-5)
10. Matt Hughes (43-7)

---

Lightweight

1. B.J. Penn (13-5-1)
2. Shinya Aoki (20-4, 1 NC)
3. Eddie Alvarez (17-2)
4. Joachim Hansen (19-7-1)
5. Kenny Florian (11-3)
6. Satoru Kitaoka (24-8-9)
7. Tatsuya Kawajiri (24-5-2)
8. Gray Maynard (7-0, 1 NC)
9. Frankie Edgar (10-1)
10. Sean Sherk (33-4-1)

---

Featherweight

1. Mike Thomas Brown (21-4)
2. Urijah Faber (22-2)
3. Wagnney Fabiano (12-1)
4. Leonard Garcia (12-4)
5. Hatsu Hioki (19-3-2)
6. Dokonjonosuke Mishima (19-6-2)
7. Jose Aldo (14-1)
8. Takeshi Inoue (16-3)
9. Rafael Assuncao (13-1)
10. Marlon Sandro (14-0)

---

Bantamweight

1. Miguel Torres (37-1)
2. Masakatsu Ueda (9-0-2)
3. Brian Bowles (7-0)
4. Takeya Mizugaki (11-3-2)
5. Joseph Benavidez (10-0)
6. Will Ribeiro (10-2)
7. Akitoshi Tamura (13-7-2)
8. Manny Tapia (10-2-1)
9. Damacio Page (11-4)
10. Marcos Galvao (6-3-1)

---

Flyweight

1. Shinichi Kojima (10-3-5)
2. Mamoru Yamaguchi (20-5-3)
3. Yuki Shoujou (8-5-2)
4. Yasuhiro Urushitani (15-4-6)
5. Ryuichi Miki (9-2-3)
6. Rambaa Somdet (6-2)
7. Jesse Taitano (4-3-2)
8. Daniel Otero (6-1-1)
9. Alexis Vila (5-0)
10. Masaaki Sugawara (7-3-1)


--

sherdog

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Rolles Gracie finaliza no Art of War 12

18426-20095222051430_img00341

Por Carlos Menarim – Brasil Combate

Para completar o balanço positivo deste final de semana em termos de vitória para os brasileiros no MMA, além de Lyoto Machida, o brasileiro Rolles Gracie também saiu vencedor de seu combate contra o russo Baga Agaev, no Art of War 12, que ocorreu neste Sábado em Pequim, na China. Rolles finalizou ainda no 1º round. Confira os resultados completos:

Bout 1 — 72 kg

Nemat Bobomukhamedov (Uzbekistan) vs. Yao Qiang (China) 71.6

Yao by TKO ground and pound R1

Bout 2 — 78 kg

Lee Hyeung Seok (South Korea) 78 vs. Justin Holdaas (USA) 77.9

Holdaas by KO knee strikes R1

Bout 3 — 78 kg

Kim Whi Gyu (South Korea) 78.5) vs. Wang Sai (China) 78

Wang by rear naked choke R1

Bout 4 — 90 kg

Kim Ho Jin (South Korea) 87 vs. Chris Bostick (USA) 89.7

Bostick by shoulder choke submission R1

Bout 5 — 72 kg

Marko Huusansaari (Finland) 72 vs. Xue Guo Bin (China) 72

Huusansaari by rear naked choke R1

Bout 6 — 96+ kg

Koji Kanechika (Japan) 110 vs. Kelvin Fitial (USA) 112

Kanechika by arm bar R2

Bout 7 — 72 kg

Shawn David (USA) 71.8 vs. Ole Baguio Laursen (Denmark) 72.4

Laursen by KO R1

Bout 8 — 66 kg

Sirojiddin Uzakbaev (Uzbekistan) 64.7 vs. Ning Guang You (China) 65.9

Ning by rear naked choke R1

Bout 9 — 72 kg

Fransino Tirta (Indonesia) 71.6 vs. Malik Arash Mawlayi (Sweden) 72.2

Tirta by TKO cuts R1

Bout 10 — 72 kg

Atsuhiro Tsuboi (Japan) 71.7 vs. Dai Shuang Hai (China) 70.7

Draw 2R

Bout 11 — 96+ kg

Baga Agaev (Russia) 104 vs. Rolles Gracie (Brazil) 113

Gracie by rear naked choke R1

Bout 12 — 72 kg

Main Event –

Yutaka Kobayashi (Japan) 71.8 vs. Wu Hao Tian (China) 72

Wu by TKO R1

UFC 98: Divulgada lista de premiações do evento

ufc98-poster

Por Melvin Laurindo - Brasil Combate

Lyoto Machida, agora o novo campeão dos meio-pesados do UFC, considerada a categoria mais disputada do mundo, ganhou muito mais que o cinturão em sua última luta.

Após o nocaute avassalador sobre Rashad Evans, então campeão da categoria, o paraense ainda ganhou o prêmio de melhor nocaute da noite, isto é, um pomposo “estímulo” de U$60,000 dólares que o UFC dá a cada evento para as melhores performances.

Além do prêmio de melhor nocaute, há também o de melhor finalização (submission) e o de melhor luta.

Seguem os vencedores de cada um:

- Nocaute da noite: Lyoto Machida (U$ 60,000)

- Melhor luta da noite: Matt Hughes VS. Matt Serra (U$ 60,000 para cada lutador)

- Finalização da noite: Brock Larson (U$ 60,000)

Total de premiações pagas: U$ 240,000

É a segunda vez em sequência que Lyoto Machida ganha o prêmio de melhor nocaute da noite. Em sua luta anterior, contra o também brasileiro Thiago Silva, Lyoto embolsou outros U$60,000 dólares.

Jornalista americano menciona lista dos que poderiam vencer Lyoto Machida

lyoto-comemora

Por Carlos Menarim – Brasil Combate

O jornalista Michael David Smith fez uma lista dos lutadores que em sua opinião, podem bater o novo campeão dos meio-pesados do UFC, o brasileiro Lyoto Machida:

“Entre os lutadores elegíveis que possam efetivamente desafiar e vencer Machida, aposto que Shogun tem neste momento as melhores chances. Ele é um striker e tem dinâmica suficiente para se movimentar diante de Machida, e embora só tenha uma finalização na carreira, Shogun pode vencer inclusive no chão. Penso que Shogun X Machida é uma luta que todos querem ver. Shogun é muito agressivo no Muay Thai, e esta característica afeta diretamente o jogo de Machida. Se Shogun perseguir Machida, ele não terá como escapar do ataque. Shogun se movimenta muito bem, evitando o tipo de erro que Rashad Evans cometeu. Mas ao que tudo indica, Quinton “Rampage” Jackson já é o primeiro da fila. Eu acho que é um erro. Seu jogo de boxe está vários passos a frente do utilizado por Evans. Apesar de não ter a velocidade ou reflexos de Evans, seu jogo de pernas é sólido, e seu poder de combinação fazem dele uma ameaça para qualquer um. E não vamos esquecer das raízes de Rampage: o wrestling. Contra Machida, Quinton poderia voltar às suas origens. Eu provavelmente apostaria em Machida como vencedor, mas Rampage não deve ser subestimado. Outro nome em minha lista é o de Jon Jones. Ele tem apenas 21 anos, mas sua juventude e talento podem acabar por levá-lo à disputa de título no UFC. Obviamente Jones ainda tem um longo caminho a percorrer antes de encarar o atual campeão, mas imagino que seu jogo de chão poderia colocar Machida em apuros. Jones é um atleta superior nesse quesito,com uma excelente base no wrestling, e se colocar seu adversário para baixo, suas chances de vitória aumentam consideravelmente. Isso pode ser visto quando de seu triunfo sobre Stephan Bonnar no UFC 94.Jones é ainda uma espécie de auto-didata no Kung Fu e no Tae-Kwon-Do. Acredito que dentro de no máximo 2 anos, o veremos lutando pelo título”. Michael David Smith também mencionou e depois descartou o brasileiro Anderson Silva como outro fortíssimo candidato à destronar o atual campeão, devido à sua amizade com Machida. “Idealmente, acho que ele é o adversário perfeito para derrotar Lyoto agora! É doutor em Muay Thai e seu estilo de contra-ataque somado à sua movimentação e envergadura são armas mais do que suficientes para neutralizar o jogo de Machida. Se ambos se mantiverem vencendo, acho que os fãs deveriam exigir essa luta de Dana White, que cá entre nós, deve estar torcendo para que esta milionária luta aconteça. Por último, não posso esquecer do passeio que o ex-campeão da categoria no UFC, Randy Couture daria em Lyoto Machida, se este aceitasse lutar entre os pesos pesados. Minha aposta é que Couture o venceria por nocaute”.

Miguel Torres vs Brian Bowles no WEC 42

miguel-torres-0

Por Vitor Targueta – Brasil Combate

O WEC anunciou a luta principal de sua edição de número 42 que ocorrerá no dia 09 de Agosto em Las Vegas.

Será o combate pelo cinturão dos pesos galos (até 62 Kg) entre os americanos Miguel Torres (37-1) e Brian Bowles (7-0). Torres é o atual campeão da categoria no WEC e é considerado um dos melhores lutadores peso por peso do mundo em atividade. Ele vem de vitória sobre o japonês Takeya Mizugaki por decisão unânime dos juízes numa das melhores lutas desse ano, que aconteceu no WEC 40 em abril.

Bowles está fora dos ringues desde dezembro de 2008, quando derrotou o brasileiro Will Ribeiro por finalização no 3º round pelo WEC 37. Ele estava escalado para enfrentar Torres no WEC 40, mas uma lesão nas costas adiou o encontro entre os lutadores para agosto. Bowles está invicto em sua carreira obtendo todas as suas vitórias por finalização ou knockout.

Duas super lutas anunciadas para o Dream 10

dream-10

Por Vitor Targueta – Brasil Combate

Durante o Dream 9, que aconteceu no Japão no dia de hoje, foram anunciadas duas super lutas envolvendo dois brazucas feras do Jiu-Jitsu para o Dream 10, que deverá acontecer no dia 20 de julho no Japão.

Em seu retorno aos ringues após a primeira derrota em sua carreira, Paulão Filho enfrentará a fera holandesa Melvin Manhoef. Será basicamente um duelo de estilos pois Paulão é especialista na luta de solo (Judô e Jiu-Jitsu) enquanto Manhoef é um dos melhores strikers do mundo, com inúmeras vitórias no K1.

O outro duelo será um combate entre dois dos melhores atletas que conseguiram adaptar o Jiu-Jitsu para o MMA. Será o embate entre o brazuca Vítor “Shaolin” Ribeiro contra o japonês Shinya Aoki.

Shaolin vem de vitória no Dream 8 após um longo tempo afastado dos ringues devido a uma lesão no olho enquanto Aoki vem de uma errota fulminante numa frustrante participação no GP dos pesos meio médios do Dream, retornando à categoria dos leves, onde é considerado um dos melhores lutadores na atualidade.

TATAME TV na festa pelo cinturão de Lyoto

Por Guilherme Cruz

Foto Josh Hedges

Após levar Rashad Evans à lona com uma excelente combinação de socos no UFC 98, que aconteceu no último sábado (23), em Las Vegas, Lyoto Machida só quis saber de comemorar a realização de seu grande sonho. Nosso parceiro nos Estados Unidos, Marcus Vinícius di Lucia, invadiu a festa de Machida e flagrou o assédio dos fãs ao novo campeão meio-pesado do maior evento do mundo.

“Fiquei muito feliz, isso não foi fácil para mim. Lutei a minha vida inteira para chegar onde cheguei, investi todo o tempo da minha vida acreditando nesse sonho. Isso foi o complemento de uma etapa, mas agora é me manter campeão, o que é o mais difícil”, afirmou Lyoto, em conversa com a TATAME. Confira abaixo o vídeo exclusivo da TATAME TV

Belfort não confirma luta com Mousasi

Por Guilherme Cruz

Foto cortesia Affliction

Após Gegard Mousasi afirmar que enfrentaria Vitor Belfort no Affliction 3, fomos atrás do brasileiro para saber suas expectativas para o combate, que aconteceria no dia 1º de agosto, mas a notícia também era novidade para Vitor. “Não sei nada, eles estão dizendo isso, mas ainda não tem nada certo. Estou esperando a confirmação para ver com quem vamos lutar”, afirmou Belfort, que se surpreendeu com a vitória de Mousasi sobre Mark Hunt, na manhã de hoje, no Dream 9.

“Não cheguei a ver... Como foi?”, perguntou Belfort, que elogiou a rápida vitória por finalização, após aplicar um knockdown no peso pesado. “Bom, hein? Mostrou que é duro na trocação... Show de bola... Agora tenho que ver se ele vai descer de peso”, disse o brasileiro, que não cogita subir de peso para enfrentar Mousasi, que decidiu mudar de categoria após nocautear Jacaré. “Quem define isso não é ele. Eu luto até 84kg. Se eles quiserem fazer essa luta até 84kg, está feito, não vejo opção de subir de peso, até porque ele não é um desafio, um cara com muito nome. Para subir de peso, não o vejo como um desafio. Quero lutar com ele no peso que foi campeão, aí acho que vale a pena”, decretou Vitor.

Hughes descarta aposentadoria

http://www.mmabay.co.uk/img/matt-hughes.jpgEquipe PVT

A vitória diante de Matt Serra no último sábado, no UFC 98, parece ter motivado Matt Hughes. O ex-campeão do UFC, que vinha sendo alvo de constantes especulações sobre sua aposentadoria, descartou essa possibilidade logo após o evento. Aos 35 anos, seu contrato com o UFC acabou e ele espera conversar com Dana White sobre a renovação.

“Eu não sei o que vou fazer agora”, disse, “Dana White e eu vamos nos sentar em uma sala e conversarmos sobre isso. Nós vamos planejar isto. Com certeza ainda quero competir. Eu continuo achando que posso ser competitivo nesta categoria”.

Na entrevista, Hughes comentou que estará de olho na próxima disputa de título dos meio-médios, entre Georges St. Pierre e Thiago Pitbull.

Shogun: “Lyoto é o melhor da categoria”

Por Guilherme Cruz

Foto Josh Hedges

De volta às boas apresentações no UFC ao nocautear o ex-campeão Chuck Liddell, no UFC 97, Maurício Shogun está à espera da definição de sua próxima luta no octagon. Enquanto Joe Silva e Dana White não decidem sobre seu futuro na organização, Shogun conversou com a TATAME sobre a luta entre Lyoto Machida e Rashad Evans, que deu o título da sua categoria ao brasileiro.

“O Lyoto foi fenomenal, ganhou bem do Rashad e provou que é o melhor da categoria”, elogiou Shogun, que foi apontado o melhor meio-pesado do mundo em 2007, depois de fazer um estrago no Pride. Ainda sem adversário e data para seu próximo compromisso no UFC, Shogun aprovou a escolha de muitos fãs de MMA, que pediram por um combate entre ele e Rashad, em diversos fóruns. “Eu ficaria felizão, ele é um cara top. Quero lutar contra os melhores”, finalizou o brasileiro.

UFC 2009 é o jogo mais vendido no CAN e ENG, MMA vendendo mais que FIFA, Call of Duty, etc.


Ranking no Canadá:

1 UFC 2009 Undisputed (Xbox 360)
2 UFC 2009 Undisputed (PlayStation 3)
3 Terminator: Salvation (Xbox 360)
4 Bionic Commando (Xbox 360)
5 Punch Out (Nintendo Wii)

Ranking na Inglaterra:

1 UFC 2009: Undisputed (THQ)
2 Pokemon Platinum (Nintendo)
3 EA Sports Active (EA)
4 Wii Fit (Nintendo)
5 Fifa 09 (EA)
6 X-Men Origins: Wolverine (Activision Blizzard)
7 Wii Play (Nintendo)
8 Mario Kart Wii (Nintendo)
9 My Fitness Coach (Ubisoft)
10 Call of Duty: World at War (Activision Blizzard)

DREAM 9: Gegard Mousasi vs. Mark Hunt

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Lyoto Machida

Foram necessárias 15 lutas para que Lyoto Machida alcançasse seu maior sonho: se tornar campeão do UFC. Na noite de ontem (23), no UFC 98, o carateca não deu chances a Rashad Evans e, num show de trocação, o brasileiro nocauteou o então campeão e deixou Las Vegas como o novo dono da categoria. Em conversa com a TATAME, Lyoto falou sobre a emoção da conquista e prometeu seguir campeão por um bom tempo.

O que você achou da luta?

A pressão era muito grande, porque era uma luta de cinco rounds, valendo cinturão, uma coisa nova para mim, mas eu administrei bem. Nossa estratégia foi bem montada em cima dos erros dele e eu sabia que induziria ele ao erro e ele ia cair, o que aconteceu no segundo round. Senti que ele começou a vir para cima de mim, e foi quando eu conectei alguns golpes e ele caiu.


Como foi a emoção de escutar seu nome como o do novo campeão do UFC?

Fiquei muito feliz, isso não foi fácil para mim. Lutei a minha vida inteira para chegar onde cheguei, investi todo o tempo da minha vida acreditando nesse sonho. Isso foi o complemento de uma etapa, mas agora é me manter campeão, o que é o mais difícil.


Você já está pensando na sua primeira defesa de cinturão, contra o Quinton Jackson?

Falaram isso, mas nem preciso me focar nisso enquanto não for nada concreto. Quero descansar um pouco, vim de duas lutas seguidas, o desgaste foi grande, muito cansativo. Quero descansar alguns dias para começar a treinar sem compromisso e, depois, focar em cima do meu objetivo, que é continuar o campeão.


Seu nome está sendo cogitado para ser o técnico do The Ultimate Fighter 11. É verdade?

Tocaram nesse assunto ontem, mas... Posso até fazer, mas tenho que ter uma estrutura aqui nos Estados Unidos, tenho que treinar também. Não posso ficar só de técnico, são seis semanas e isso é muito importante. Meu foco é lutar. Sei que tenho que aproveitar o momento para adquirir um nome maior e tudo, mas isso não é o meu foco principal. Mas, se eu tivesse uma estrutura aqui, faria tranquilamente.


O Pitbull pode trazer mais um cinturão para o Brasil, na luta contra o St. Pierre. Como você acha que será essa disputa?

Acho que o Pitbull tem tudo para arrebentar, porque acho sua luta em pé melhor que a do Georges St. Pierre. Embora ele seja mais completo, tem mais parte de queda e tudo, se o Pitbull traçar uma estratégia ele tem tudo para ganhar e consagrar o Brasil. Acho super importante essa vitória, é só uma questão de tranqüilidade.

Sean Sherk vs Frankie Edgar (UFC 98)

Brock Larson vs Mike Pyle (UFC 98)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...